Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto





Hora silenciosa

Minha hermética canção se aquieta
Presa nos versos tristes e molhados
Reflete o desejo contido em solidão
Que, à tarde, entre suspiros cortados
Perscruta minh’alma que bebe em vão
Os acordes que vêm de amor pontilhados.

Mergulho no mais profundo silêncio
E minh’alma em louvor se enternece...
Aos poucos, deixo vibrar minha voz
Que sacode o dia que, lentamente, fenece
Para acordar a lua sonolenta que vem após
Tão logo o sol no horizonte desaparece.

E nessa hora fecunda de sonho e poesia
Abro a janela da minh’alma e vejo
Transbordar minha taça numa afasia
Sob o cintilar das estrelas que antevejo
Tão logo morre o dia na palma da minha mão
Que se põe em oferenda pela graça de viver...


Mena
Enviado por Mena em 01/12/2009
Código do texto: T1955091


Comentários

Sobre a autora
Mena
Brumado - Bahia - Brasil
539 textos (118965 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/03/21 05:51)
Mena