Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A GÊNESE DO POEMA

A costumeiramente chamada “inspiração”, que para designá-la prefiro denominar segundo o conceito de origem castelhana – a espontaneidade – é a voz do Mistério, aliás, o único que é capaz de conceber e fazer aflorar o poema em nós, no exato momento ou situação em que estamos em "estado de Poesia". O poema, vale dizer – a forma ou formato do exemplar em linguagem poética – é a materialidade da Poesia, a concretude verbal e/ou visual, fruto de uma geratriz psíquico-emocional-intelectiva, que não se tem como estabelecer a procedência no plano corpóreo do poeta-autor, e com destinação certa ao mundo fático por obra e arte do poeta-leitor, que é quem lhe dá vida; até então era matéria inanimada, mera inscrição dos estritos domínios de seu agente criador. Tenho a tal de inspiração como um sagaz estado anímico, que se traduz numa centelha desencadeadora que se utiliza de uma linguagem pouco ordenada, confusa, eis que altamente codificada. Somos, enquanto poetas, o canal físico da expressão vocabular da magia dos significantes e seus eventuais significados, que conduzem à imagética, a partir das metáforas de palavra e da dialética (complexa) que o jogo das imagens produz em nossa cabeça geralmente plena de ansiedades e inquietação frente ao entorno de nosso pretenso território de viver. Assim identifico a liberação do alter ego das descobertas freudianas, a seu tempo, tal como o nominou – também a seu estágio temporal – o universal poeta Fernando-Pessoa-ele-mesmo-o-outro: os demiurgos incompletos de sua psique intuitiva e culta e os seus individuados heterônimos, com nome e sobrenome e, inclusive, em Álvaro de Campos, Alberto Caieiro e Ricardo Reis, com registros biográficos, a partir de 1930, em cartas a Adolfo Casais Monteiro, da Academia Portuguesa. Enfim, o universo revelado pela codificação que conduz e caracteriza o sentido conotativo da linguagem – sua criptografia genuína, original. E é somente neste território, com suas peculiares nuanças, que a Poesia se dará a conhecer como tal. Fora disto, entremos no universo fascinante da Prosa, que igualmente tem os seus peculiares cânones formais e conceituais. Na Poesia, a palavra engalana-se com o seu vestido de festa e, via de consequência, o empoderamento dela e o consequente estranhamento que exsurge das baforadas do Mistério na cabeça (e no nariz) do poeta-leitor. A Poética, como fenômeno da humana linguagem, nasce dos limbos entrelaçados da filosofia; do individuado universo psíquico de cada humano ser e do terreno vivencial até a finitude, com os seus (por vezes, tumultuosos) acréscimos: tidos, lidos e havidos existenciais. Tenho que o ato de criação, em Poética, se perfaz em dois momentos: o da espontaneidade, em que prevalece a tal "centelha inspiracional" assentada na emoção momentânea, e o segundo instante, ao qual denomino de "transpiração", em oposição ao designativo usual da "inspiração". Neste último momento, o transpiracional, prevalece a intelecção e os adornos de cultura e experimentação, assentado em muita leitura de obras no gênero Poesia e correlatas. A gestação do criar merece todo tipo de concepção, de óticas e de parte a parte, porque não há como provar com veracidade o que vários categorizados mestres expendem como vertente conceitual para essa gênese. Todavia, algo me parece possível afirmar com palpável fidedignidade: quem dá forma ao poema (com Poesia) é a dedicação ao estudo e à luta com as palavras e (suas) subversões figurativas, no cadinho fervente, tormentoso e desafiante do criar. É a este segundo momento criacional que denomino de – transpiração – o que permite, por vezes, que tornemos a peça poética definitiva quanto ao seu formato. No entanto, para mim, que brigo com a palavra como ingestão necessária e quotidiana, a rigor, o poema (com Poesia) nunca está pronto. E aí novamente me vem à cabeça o respirar do Mistério e os seus bafejos.

– Do livro inédito OFICINA DO VERSO: O Exercício do Sentir Poético, vol. 02; 2015/19.
https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/6695722
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 14/07/2019
Reeditado em 16/07/2019
Código do texto: T6695722
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
3459 textos (863667 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/09/19 08:25)
Joaquim Moncks