Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viagem de Um Tetra a Porto Seguro.

(Artigo publicado no site do autor: www.nardeliofernandesluz.com)

Como sempre acontece em excursões, saímos duas horas e quinze minutos depois do previsto. Ou seja, saímos de Uberlândia as dezesseis horas e quinze minutos da quinta-feira-santa. Dizer que a viagem foi difícil é muito pouco: na verdade ela foi tortuosa. Mas, nada que eu já não estivesse esperando e previamente preparado. Embora o ônibus fosse relativamente novo, numa viagem tão longa – e muitos trechos da estrada parecendo as crateras da lua –, não poderia passar sem alguns incidentes: dois pneus furados e uma mangueira de ar estourada num espaço de poucas horas – já no calor escaldante da Bahia e em plena sexta-feira-santa, quando a maioria dos trabalhadores estavam de folga.

Conquanto tenhamos parado para jantar, lanches, almoço e idas ao banheiro, e as pessoas tenham saído para esticar as pernas, eu optei por ficar dentro do ônibus, pois a portinhola que separa a cabine era terrivelmente estreita, dificultando em muito minha transição, carregado por dois amigos.

De todos os lados eu só ouvia reclamações do quão longa era a viagem. Também tinha as minhas, mas as guardava somente para mim. Se tal viagem era exaustiva para as pessoas “normais”, imagina para um tetraplégico, que viajou imóvel quase todo o tempo. Os incômodos da imobilidade me faziam suar frio o tempo todo. Na madrugada pedi a um amigo para estender um colchonete no corredor e me deitar um pouco, mas aquela posição – com tantos buracos na estrada – também era péssima, incutindo dores nos ombros e outros, assim, logo que amanheceu, voltei à minha poltrona.

Numa poltrona de carro, por ser mais ou menos anatômica, meu corpo inerte encaixa bem e fica no lugar, mas na poltrona do ônibus, eu escorregava pra frente a toda hora e um amigo – ou dois – tinha que me puxar para cima. Ou seja, meu constrangimento era mais pelo trabalho que estava dando aos meus amigos – que estavam ali pra se divertirem – do que pela tortura que meu corpo estava sendo submetido.
Mas, minha psique – antes bem preparada – agüentava firme. Meu corpo suava copiosamente, um suor frio e pegajoso, e calafrios percorriam minha espinha, eriçando os pêlos dos braços. Os incômodos eram muitos, mas meu medo maior era de abrir escaras (feridas) na bunda, pois essas famigeradas lacerações abrem da noite pro dia, mas levam anos para cicatrizarem – isso quando cicatrizam. Pois, para quem não sabe, as escaras – também chamados úlceras de decúbito –, são diferentes das outras feridas: elas se desenvolvem de dentro pra fora, e quando se abrem, todo o tecido já está apodrecido, muitas vezes mostrando o próprio osso. No caso de escaras maiores, quase sempre é preciso enxerto de tecidos para a cicatrização.

Quase todos os adultos faziam uso constante de cerveja, na tentativa de amenizar o calor e as agruras, e eu não era diferente. Por fim, três horas após o último pneu furado, adentramos Porto Seguro. Cerca de vinte minutos depois, chegamos à pousada, pouco mais de vinte e sete horas após nossa partida em Uberlândia.

A pousada era bastante espaçosa e os quartos foram divididos levando em conta laços familiares e afinidades. Eu fiquei no quarto do meu amigo Délio e família. O cansaço era geral, mas com toda certeza o meu beirava a exaustão. Assim, meus amigos Délio e Willian me deram um bom banho, frio e reconfortante – onde, após constatar não haver nenhum início de escara, tomei os cuidados necessários no tocante a evitá-las com muito creme hidratante e massagens na bunda e costas. Mais uma Skol no bar ao lado da pousada para esperar o jantar, esse, e finalmente a cama. Antes de dormir, ainda uma preocupação: minha cadeira de rodas havia misteriosamente estourado um pneu traseiro e furado um dianteiro – e no bagageiro do ônibus, aparentemente sem que ninguém a tocasse.

A pousada ficava localizada no bairro do Areião – um pouco distante do mar – e o ônibus saia de manhã com o pessoal para as praias e só voltava a tarde. Embora tivesse algumas borracharias abertas, os profissionais, numa preguiça – poucas vezes vista antes –, davam uma olhada como quem não quer nada e diziam que meu pneu não tinha conserto. Somente à tardinha um dos motoristas do ônibus encontrou uma borracharia que colocou um manchão, que permitiria agüentar até a segunda-feira. Perdi todo o sábado da aleluia – ou quase todo, pois aproveitei do meu jeito, no barzinho ao lado... (risos).

No domingo de páscoa, embora o pneu dianteiro da cadeira estivesse novamente vazio, encheram-no com o ar do ônibus – coisa que não durou muito – e acompanhei a todos para a praia Coroa Vermelha, onde fora rezada a primeira missa, quando Cabral chegou ao Brasil. Não podia acionar os motores da cadeira, por causa do pneu murcho – que só pode ser comprado na fábrica, no Rio Grande do Sul. Mas fiquei o tempo todo junto com a turma – à sombra, claro – e o dia foi regado à cerveja, petiscos da culinária baiana e banhos de mar. Que delícia é o mar!!! À tardinha, de volta a pousada, mais cervejas no bar, jantar e cama.

Na segunda-feira decidi ficar na pousada, para resolver de vez por todas o problema dos pneus. Seu Bené, o dono da casa – um simpático baiano de meia idade, que, junto com a também simpática esposa, mantém impecavelmente a higiene do lugar – levou o pneu dianteiro a uma loja de bicicletas e adaptou uma câmara de ar nova. Desta forma – acompanhado pelo meu amigo Hermes e esposa, que também haviam ficado na pousada –, eu mesmo levei a cadeira à loja e mandei substituir o pneu traseiro.

Novamente se destacou a famosa preguiça local: “Tem desse pneu aqui não”, respondeu no sotaque característico, um sujeito atlético de bermudas e havaianas, que não despregava a bunda de um banquinho sujo de graxa. Já irritado com o mau-atendimento, eu retruquei um tanto áspero: “Sei que não tem, pois esse pneu é original e só vende na fábrica ou lojas especializadas da Freedom, mas você pode substituí-lo por um de bicicleta que tenha o mesmo aro”. “Pode ser... vamos ver... espere um pouco...”
Minha irritação era crescente, mas me calei e tratei de exercitar a paciência, afinal, o precisado era eu. Depois de terminar o desmonte de uma bicicleta infantil – pouco menos de meia-hora – o cara tirou a bunda do banquinho. Colocou uma cadeira de madeira ao lado da minha e ficou olhando pra minha cara. Quando me dei conta da sua intenção, não pude conter um largo sorriso. “Eu não saio da cadeira, moço... você vai ter que levantá-la um pouquinho e colocar um calço”. “Ah... tah...”, finalmente a ficha dele caiu. A essa altura, a oficina já estava cheia de gente, fazendo perguntas como se a cadeira motorizada fosse extraterrena. Hermes o ajudou a içar a cadeira e colocar o calço. O rapaz até que foi eficiente quando começou a trabalhar: após testar três pneus, me pareceu mais adequado o último, de bicicleta cargueira, que embora o dobro do preço, era bem mais reforçado.

Terminado o trabalho, paramos numa pracinha para um lanche rápido, e levamos cerca de quarenta minutos para fazermos o percurso de volta – pouco mais de seis quarteirões –, devido ao péssimo estado do calçamento das ruas. A cadeira pulava como um cabrito e, por várias vezes temi que ela se quebrasse, ou se desmanchasse. Foi realmente um teste de alta resistência. Aqui afirmo com todas as letras: quanto mais cidades conheço, mais amo minha Uberlândia, que em âmbito nacional, só perde para a grande Curitiba em matéria de adaptações para cadeirantes.

Novamente esperei a chegada da turma no barzinho, ao lado da pousada, que embora “copo-sujo”, possuía um ótimo atendimento. Naquela noite houve churrasco e forró na pousada, em comemoração ao aniversário de uma das excursionistas, e eu me esbaldei.

De cadeira zerada, aproveitei o resto da semana nas belíssimas praias de Porto Seguro. Dentre todas, as que mais gostei foram as dos complexos de lazer “Barramares” e “Axé Moi” (pronuncia axé moá). A turma ainda fez excursões para a cidade histórica, Troncoso, passeios de escuna para mergulhos nos corais, e outros lugares que não me interessaram, devido à péssima geografia, que em nada alivia – e muitas vezes é impossível – a um cadeirante.

Embora eu – branco como cera – procurasse sempre as sombras, fizesse uso constante de protetor solar, bebesse muita água-de-coco, mineral e “outros líquidos”, fiquei bastante queimado. Minha exposição ao sol se dava mais quando eu me arriscava nas pedregosas ruas da cidade – nas quais levava pouco mais ou menos dez minutos para avançar um único quarteirão. Definitivamente – como a maioria das cidades históricas –, Porto Seguro não é lugar para cadeirantes! Nem mesmo à famosa “Passarela do Álcool” eu fui, devido às inúmeras dificuldades de locomoção. No Centro da cidade se pode encontrar algumas poucas rampas de acesso às calçadas, mas não se anda vinte metros sem se deparar com degraus e desníveis, a maioria ascendendo trinta a quarenta centímetros.

As dificuldades não se limitam apenas aos deficientes, mas também aos idosos, grávidas e até crianças pequenas, num descaso geral. Pude notar que deficientes naquelas paragens – sobretudo cadeirantes – são tão raros que, nas ruas, a maioria das pessoas me olhava como se eu fosse verde com anteninhas na cabeça, e minha cadeira como se tivesse saído de “Guerra nas Estrelas”. E ainda faziam comentários em voz alta, que me divertiam muito. Meu amigo Délio dizia que ali eu era um astro, e, como tal, eu distribuía sorrisos para todos que me encaravam... (risos). Eu sempre me divirto muito com essas coisas.

O objetivo principal desta narrativa é mostrar aos deficientes – principalmente aos cadeirantes – que eles também podem viajar e se divertir. Embora nossas dificuldades sejam infinitamente maiores que as das pessoas “normais”, com um pouco de ajuda, são perfeitamente superáveis, e há realmente vida após a paralisia. Com tantos lugares bacanas por perto pra se visitar, não é preciso sacrificar em longas e cansativas viagens de ônibus, eu o faço porque gosto de testar meu corpo, e desta vez o levei ao limite extremo, numa viagem totalmente desproporcional a um tetraplégico. O corpo agüentou firme... sofreu um bocado, mas agüentou! Mais uma vez provei a mim mesmo que, se a mente quer, o corpo agüenta.
Não há porque as pessoas com dificuldades de locomoção ficarem enclausuradas em casa, expostas ao estresse e à famigerada depressão. Temos mais é que nos mexer, divertir... Deus tira nossas pernas, mas nos dá rodinhas... temos que viver, pois a vida é muito curta pra ser desperdiçada choramingando e esperando milagres, e dela só levamos nossas próprias experiências. Eu só não me diverti mais porque para tudo que eu queria (passeios de bugues e ultraleves), faltou grana – ela sempre falta (risos) –, mas o que fiz já está de muito bom tamanho.

Na quinta-feira, a maioria das pessoas já estava com saudades de casa. Eu não era diferente: ansiava por rever minha família; pela solidão calma e consentida do meu quarto; minha cama, que me permite sentar; meus livros e filmes; o computador, que dá acesso aos meus amigos mais distantes, e até do mais peralta dos bichos, meu cachorro “Zoreia”. Não creio voltar mais a Porto Seguro, pois a cidade definitivamente não oferece suporte nenhum a cadeirante, e o desdém das pessoas quanto a isso é notável. Nem só por isso, mas também porque o Brasil possui tantos lugares lindos e interessantes, que se pode viajar a vida inteira sem precisar repetir um só lugar.

A viagem de volta, embora uma hora a menos (viemos em pouco mais de 26 horas), foi tão ou mais torturante que a ida, pois o cansaço era maior e já não tinha mais a euforia da farra. O Délio – que havia deixado o carro no pátio da empresa de ônibus – deixou-me em casa ao cair da noite de domingo. Eu estava exausto, suado, imundo e com os pés e pernas tão inchados quanto balões de parque de diversão. Mas também estava com a mente aliviada, sem estresse, e assim permanecerei por algum tempo, até que seja preciso sair para espairecer novamente. O saldo total da viagem foi 80% positivo e 20% negativo... valeu a pena!... e como valeu!!!

Nardélio Luz
Enviado por Nardélio Luz em 16/09/2005
Reeditado em 29/11/2007
Código do texto: T50978

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nardélio Luz
Uberlândia - Minas Gerais - Brasil, 49 anos
25 textos (15073 leituras)
3 áudios (96 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:51)
Nardélio Luz