Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

E DEPOIS DA ESCOLHA?


        Entre o sim duvidoso e também o não, ficamos divididos  na coluna do meio. Não temos alternativa. A resposta não dá lugar para explicações, como a pergunta não deu.
Em nenhuma delas haverá a certeza absoluta. Somos cristãos e na nossa mente não há lugar para uma arma sequer. É nenhuma, mesmo! Somos contra qualquer tipo de violência, que a nosso ver é sinal de ignorância, arbitrariedade. Mas, diante dessa "ameaça", o que deveria ser SIM tornou-se NÃO!
        A força só se impõe onde não há verdade. É a tirania do mais forte que detém o poder de manipular, ação essa degradante entre os seres humanos.
E perguntamos: - Que seres humanos? Onde foi que o homem perdeu esse atributo?
        A ignorância e a arrogância são os materiais empregados para a confecção da verdadeira capa que fantasia um indivíduo de “gente”.
Vivemos em um país relativamente novo em relação ao restante do mundo, mas trazemos ainda o sangue contaminado, os mesmos vícios da barbárie. Embora essa mistura de raças através dos séculos tenha formado um povo de índole pacífica  e alegre, também, infelizmente, existe o defeito do “jeitinho”, essa malandragem considerada normal, que se tornou costumeira e atualmente é encontrada não apenas entre os humildes ignorantes, mas alcançou os mais altos cargos da nação. É um vírus ou uma bactéria que está infiltrada em todos os pontos importantes da nação, quer no setor público ou privado.
A nossa carta mágna, tantas vezes revista e adaptada às novas situações, não é devidamente considerada quando, por razões equívocas ou escusas, não é bem interpretada. Então, o povo, massa considerada não pensante, é levado às urnas usando seu direito de escolha para interpretar a sua vontade  em uma simulação de decisão.
E a escolha é: “Não matar?”   ou “Não morrer?”
A resposta, aquela que está dentro de nós, a “Não violência”, nada conseguirá em plebiscito como este. Porque a mídia, liderada pelos grandes interessados manipula as opiniões embaralhando os significados das mensagens e colocando mais dúvida na cabeça das pessoas, para depois responsabilizá-las pela incompetência vigente.
Se por aqui não temos vulcões, furacões ou maremotos, temos uma sociedade em convulsão, insegura, incrédula, somos um barco à deriva, temendo as grandes cachoeiras nesse rio onde flutuamos, esperando encontrar uma àrvore à margem que estenda um galho onde possamos nos agarrar.

L.Stella D. C. de Souza e Mello
lstellamello@uol.com.br
Autora do Romance "EULÁLIA"
Stella Mello
Enviado por Stella Mello em 26/10/2005
Código do texto: T63684
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Stella Mello
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil
50 textos (3051 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:13)
Stella Mello