Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Para participar de este magno e histórico evento con lecturas de su poesía, ponencias y presentación de libros, en que participan además poetas de los 5 continentes.
Los gastos de viaje y estadía corren por cuenta del participante, sin embargo, Poetas del Mundo pone a su disposición toda la logística y atención necesaria para el éxito de su participación.

Poeta,
Aquí te envío la carta de invitación...
SUERTE EN TUS TRAMITES!!
Nos vemos en parís? Así lo espero..
Un abrazo!! Luis Arias Manzo

Luis Arias Manzo
Secretario General
Poetas del Mundo


POETAS DEL MUNDO – MERCED 324 – SANTIAGO - CHILE – TELEFONO: (56-2) 638 6245 info@poetasdelmundo.com 


111-  A Esperança

O Sol esconde-se
com suas lágrimas
As nuvens cobrem-se
de vergonha

O mocho
fica indiferente
calado
com a mortandade das armas

Sente-se o bafo
da maldição
oculta
com o cheiro da guerra

Quantos e quantos morrem
na chacina da indiferença
com a satisfação da destruição
com o terrorismo selvagem

Mas com a mão de Deus
todos acabam
por acordar
com a destruição das armas

As estrelas sem limites
despertam
para uma nova era
para a evolução da vida

Agora
o Sol sorri
e aparece no horizonte
para um novo despertar
de uma nova esperança com paz

O sossego
e o sorriso dos homens
sente-se na evolução
de uma renovada paz

As crianças
despertam para a vida
para uma era melhor
e sorriem para uma nova era

O mocho foi destruído
de asas cortadas
esconde-se
de um futuro cheio de esperança. 

Pedro Valdoy
Lisboa Agosto 2006 


112- A PAZ É POSSÍVEL

Irmãos da Terra,
olhemos para o firmamento
e contemplemos as estrelas;
atentemos para o azul profundo
da imensidão dos mares;
aprendamos com a justiça do sol
que nasce, igualmente, para todos;
observemos o vento que passa
acariciando as folhas das árvores;
percebamos a generosidade
da semente que produz o fruto;
maravilhemo-nos com a leveza
do vôo de um pássaro;
meditemos na beleza
e majestade do pôr-do-sol!

Observemos a natureza!
Sintamos a cumplicidade,
a coexistência solidária e pacífica
do existir de cada ser.

A natureza nos dá lições de Paz!
Aprendamos com a natureza
e a Paz não será, apenas, uma esperança.
A paz começará em cada um de nós. 

Lêda Mello
Arapiraca (AL),
 Brasil .


113- MEU GRITO DE PAZ

Olho com tristeza para o mundo,
e vejo nas faces dos meus irmãos
só ódio, ganância e desunião,
e de tanto ouvirem o explodir de bombas e de corações
meus ouvidos feridos já se tornaram surdos.

Meu grito aflito ecoa pela Terra
implorando a paz, tentando calar as guerras,
mas, misturando-se aos gritos de morte e de dor
que vão lavando de sangue o nosso mundo,
o meu grito abafado, sufocado, fica mudo !

Minhas mãos, que se elevam à Deus em preces e clamor
implorando misericórdia ao nosso Criador,
mal consegue terminar sua oração
pois abrem-se estendidas ,
para amparar o irmão que cai sem vida.

E os meus olhos marejados de aflição
no anseio de levar paz aos corações,
não conseguindo acalmar tantos gritos e tanta dor,
mistura -se ao som sinistro daquela orquestra de prantos
e continua clamando a paz,
bebendo o gosto amargo do seu pranto.

Nosso mundo está necessitado de paz,
mas os corações dos homens estão doentes,
contaminados e feridos pelo desamor e pela ambição
eles parecem cegos, surdos e não vêem
que a paz está tão perto de suas vidas,
se nas mãos de Deus segurassem
e fizessem Dele, sua eterna PAZ e guarida.

Socorrinha Castro / florzinha
Fortaleza - Ce - 
Brasil 30/08/06 
04:33AM


114- “QUE VENHA PAZ!”

Noite de lua, estrelas a brilhar,
Sente-se no ar o perfume da flor...
O mundo é calmo após se proclamar
Que mais não haverá servo ou senhor...

E a humanidade parece sonhar
Com o fim da guerra que lhe traz a dor;
A firme decisão de se acabar
Co’ o filme: ”Derrotado ou Vencedor!”.

E o que deseja o mundo, a humanidade?
É ouvir essa sentença que nos faz
Chegar por fim a ti, Felicidade,
Para que nunca mais seja fugaz 

Essa alegria plena de verdade:
“Declaração Universal de Paz!”.

Jacaraípe, Serra,
 Espírito Santo, 
30/08/2006. 


115-Paz!!!

Paz, palavra de pouca comprensão,
chegando ao ponto de gerrearem
por tal paz...Uma paz de fachada,
sem racionio, sem menor emoção.

Paz conseguida pela ditadura,
sem dó, piedade e ternura.
Paz...Quando os homens aprenderão
que a questão vem do coração?

Paz tranquilizante, paz calmante
dos aflitos...Ah! Paz! tu és canção
dos grandes homens...imaculada,
sem viloência, sem ódio, só amor! 

Conceição Di Castro
30/8/2006


116-Olhos de paz

Um olhar é canção
que toca as mãos com letras,
versos coloridos sem fronteiras
e com qualquer bandeira.

Harmonia se levanta
no poder da palavra,
forte e muito mais concreta:
amor, sólido na voz dos poetas.

Atravessam o Uni-verso
ao atingirem com os dedos
os olhos nos olhos da humanidade
pedindo a leitura diária:

alva e bela palavra:
Paz...

Maísa Cristina Vibancos(*Pupila)
São Paulo/SP - Brasil
30/09/2006 

117- A Paz

Quantos sonhos, ilusões
guardados nos corações!
Amor entre os semelhantes
como nunca se viu antes!
Ninguém com fome, com dor,
todos tendo mais valor!
Crianças com futuro garantido
ninguém mais sendo excluído!
Confiança, tranqüilidade,
harmonia, felicidade!
Respeito pelas diferenças,
pelas raças, pelas crenças!

Tantos sentimentos desejados
e bem poucos alcançados...
Mas de tudo que se almeja,
que o mundo inteiro deseja,
entre povos e nações,
em todos os corações,
um sonho maior não se faz:
A permanência da paz!

Suely Ribella
Santos/  São Paulo, BR.
30/8/2006

118-

Como falar de amor
A quem só conheceu o ódio?
Como falar de carinho
A quem só conheceu a brutalidade?
Como falar de atenção
Aquém só conheceu abandono?
Como falar de harmonia
A quem só conheceu tormento?
Como falar de respeito
A quem só conheceu discriminação?
Como falar de fraternidade
A quem só conheceu intolerância?
Como falar de diálogo
A quem só conheceu agressão?
Como falar afeto
A quem só conheceu indiferença?
Como falar em vida
A quem a morte é um descanso?
Como falar de paz
A quem já nasceu em guerra?

Se nossa pobre Humanidade
Chegou ao ponto atual
É porque muitos
Jamais chegaram a conhecer

Amor
Carinho
Atenção
Harmonia
Respeito
Fraternidade
Diálogo
Afeto
Vida
Paz

É impossível praticar
Aquilo que não sabe o que é
Para ver crescer a Paz,
Primeir é preciso
Fazer germinar o Amor...

Suzy Lima 
31/8/2006

119-PARA NÃO DIZEREM QUE NÃO FALEI DE PAZ, 

vou ascender uma vela. Mas não ascendo vela para as inumeráveis almas que foram ceifadas pelo genocídio humano ou catástrofes ambientais; acendo uma vela para que ilumine o caminho daquelas almas que ainda estão por conhecer a luz da vida.

Para não dizerem que não falei de paz, ascendo uma vela para todas as crianças e jovens que habitam todos quadrantes da terra. Mas não ascendo para aquelas que já pereceram. Ascendo uma vela para aquelas e aqueles que pereceram nas guerras, que pereceram pela miséria, que pereceram sob o jugo do submundo do crime, e para aquelas e aqueles que, sob opressão da nossa hipocrisia, pereceram sem descortinar um futuro.

Também ascendo uma vela para nossos anciãos, em especial, para aqueles que padecem ou padecerão do descaso das autoridades constituídas, que padecerão pelo desrespeito dos mais jovens, que padecerão pela falta de afeto humano, pelos vícios e doenças do nosso tempo e pela falta solidariedade entre os mesmos.

Ascendo uma vela para a classe dos desportistas e artistas; esperançoso de que eles quebrem todos recordes, transponham todas barreiras, superem todos tabus, façam por merecer o brilho de estrela; mas que não sucumbam na mazela da vaidade e na própria arrogância;

Ascendo uma vela para a imensa comunidade eclesiástica; desejoso de que seus iluminados membros acreditem e sigam os ensinamentos que impõem aos seus seguidores; para que vivam em comunhão com seu Deus e com homem comum, e para que tenham coragem de primeiro confessar seus pecados e fazer “mea culpa”;

Ascendo uma vela para nossos governantes, municipais, mundiais e universais (se é que ainda não temos); para que cumpram suas promessas, para que sintam na própria carne as agruras de suas próprias tiranias, para que respeitem a biodiversidade, protejam o meio ambiente e salve o planeta terra da devastação do próprio homem.

Peço licença para ascender uma vela aos POETAS, dentre os escritores, o mais sofrido. E se também me for permitido suplicar; suplico aos Poetas que não permitam que a chama da poesia se apague, e que não caiam na tentação de serem Cronistas.

Ascendo uma vela, em especial, para mim mesmo; esse incauto e pequeno trovador. Continuo sem saber se devo acreditar no que digo e acredito. Porém, tenho certeza: depois de duvidar de tudo que não disse e que não direi; cheguei a conclusão de que ninguém me dá ouvidos porque não dou ouvidos ao que não sei.

Antonio Virgilio de Andrade
Poeta/Escritor 
Brasilia/1/9/2006


120-ESPERANDO PELA PAZ 


A espera pela paz continua;
desde os tempos remotos
a humanidade está à procura
dessa paz tão sonhada e idealizada
por todos os povos e nações.
È uma busca fremente e incessante
onde os sonhos de encontrá-la e preservá-la
motiva os pacificadores conclamando a todos,
para que unidos num clamor universal,
encontrem as soluções para que de fato ela aconteça,
e com isso o mundo seja mais justo e feliz.


Havendo paz, não haverá guerras,
não havendo guerras, e se ódio entre as nações
for substituído pelo amor fraternal,
haverá mais justiça e menos sofrimento,
mais abrigo e menos miséria,
principalmente para os mais pobres e oprimidos.
Havendo paz, a disputa pelo poder será menor,
e consequentemente o egoísmo,
dará lugar a partilha.

Seria utopia pensar que
todos os problemas da humanidade
seriam sanados, ou resolvidos,
mas, com a paz reinante, as nações
resolveriam muitos conflitos
com diálogo e não com guerra,
e muito sofrimento seria evitado.

Muitos jovens e crianças
poderiam sonhar com um futuro
mais digno e promissor,
muitos homens e mulheres
não sofreriam a perda de seus filhos,
tragados por um conflito sem limites,
que arrasam suas esperanças e sonhos,
ceifando vidas no auge da energia.

Enfim, vamos lutar e conclamar a todos,
para que unidos em ação e oração,
versando aos quatro ventos,
lançarmos o clamor à paz.......
PAZ, PAZ, PAZ!!!!!!!!!

Therezinha Aparecida Valio Corrêa
(There Valio) 31-08-06
Pilar do Sul/SP. – Brasil. 


121-ANJOS DA PAZ

Quando as estrelas se reuniram
no céu para assistir,
a dança dos anjos,
os planetas se alinharam,
para anunciar a vinda
do amor em forma de vida
que se propagou pelo universo
da paz...

As estrelas viveram um sonho,
quando anjos revestidos de luz,
escolheram a lua cheia para
dançarem, sob a regência
do amor, a canção sagrada
da paz...

A noite quando todas as estrelas
brilhavam de emoção,
um feixe de luz,
desceu do infinito,
para iluminar a ciranda
onde os anjos se juntam
para dançar em louvor a fé....

Orações que foram ao encontro
de Deus, se uniram neste encontro
sagrado com os seres angelicais,
agradecendo ao senhor do universo,
o amor que encontrou seu anjo,
neste reino onde a paz,
vive na sensibilidade
da mente de quem busca
uma força para seguir
na direção do sonho....

Rogerio Miranda
poeta da paz

122- Quero paz

Sigo nesta vida com tinteiro à mão
descrevendo em versos o amor do coração.
Falando o que incomoda sem querer criar moda.
Já calejada com as mentira eleitorais anunciadas.
Quero ver as leis serem cumpridas com igual punição
para todos, pobres ou ricos, que forem ladrão.
Quero preservar a TERRA, ÁGUA e AR.
Não quero polemizar... Apenas bem amar
Abrir os braços para quem precisa do abraço.
Fazer-te entender que doando estas ganhando.
Levar ao teu dia o sol que o meu irradia.
Ensinar, em teus ideais acreditar
entendendo que o mundo é o que você criar.
Quero viver a vida buscando alegria
em tudo o que Deus nos propicia
sem supervalorizar o que nos desagradar.
Quero apenas a paz alcançar.

Iza Mota
Recife-PE
01.09.2006

123-POR QUE?

por que
lutas e ódios
que a tudo destroem
quando temos no amor
a paz que constrói?

por que
prantos e dor
que só nos fazem sofrer
quando temos o amor
que nos faz renascer?

Chega de dor,
cantemos ao amor e à paz!

Enxuguemos
a lágrima da criança
que pede, chorando,
por um mundo
repleto de esperanças

Chega de dor,
cantemos ao amor!

Chega de dor,
clamemos pela paz! 

1950 - nancy pimentel

NANCY / Cléo 

124- A PAZ é Vida...

Onde há paz há vida,
Triunfa a palavra,
Reina a justiça.
A beleza se expande
As idéias progridem
E a esperança é o futuro!
*
Onde a guerra falta o ar.
Tudo é tenebroso,
A angustia é latente.
Há terror e injustiça.
Destruição maligna.
De esperanças ruídas,
Crueldade e má formação.
*
A PAZ não surge da guerra
Só se consegue se impera o amor
Amar aos inimigos,
Parece impossível
Requer muito esforço,
E ao ódio aniquila,
Porque se o consegue
É a solução!

Mar Cueto Aller
Espanha
3/9/2006

"La Paz es vida"

Donde hay paz hay vida,
triunfa la palabra,
reina la justicia.
la belleza se expande.
las ideas progresan,
la esperanza es futuro.
*
Donde hay guerra falta el aire.
Todo es tenebrismo,
angustia latente.
terror e injusticia.
destrucción maligna.
esperanzas rotas,
crueldad y malformación.
*
La paz no surge de guerra.
solo se consigue,
si impera el amor.
Amar a enemigos,
parece imposible.
requiere un esfuerzo,
que el odio aniquila,
pero si se logra:
es la solución.

Mar Cueto Aller
Espanha
3/9/2006
traduzido
 " A Poetisa dos Ventos"

125- VIVER A PAZ SONHADA


Há coisas que não podemos mudar...
Apagar as estrelas, esconder a lua e
fazer o mar não avançar...
O sol vai passear do outro lado enquanto
a chuva cai, a harmônia é perfeita.
Há coisas que podemos mudar...
Minuciosamente vejo a vida ao meu redor
e me deparo com o negativo devorando
o lado positivo, o belo, a criação...
Impulsionada pela fé, me transporto para
o infinito, sou grão de areia, mas minha marca
está presente e latente...
Pergunto!
Como viver a tal sonhada paz?
É só dizer NÃO a tudo o que é
contrário aos ensinamentos do criador...
Só isso!!!
O amor incondicional deve ser
despertado em cada Ser com urgência...
A minha paz depende deste
despertar.... 

Naidaterra
sampa
3/9/2006

126-PAZ...

Onde está a Paz?
A Paz de Cristo!
Está em it?
Está em mim?
Divide está Paz com teu irmão
Esta é a Paz DA união!
Você não tem Paz para dividir?
Divide a Paz DA palavra,
És mudo?
Divide a Paz do ouvir,
És surdo?
Divide a Paz do olhar,
És cego?
Divide a Paz do coração,
És vivo?
Divide esta Paz com teu irmão
Esta é a Paz que abastece o mundo
Esta que começa em seu coração!
Quem conhece esta Paz
Não promove a guerra
Quem conhece esta Paz
Promove a união!
Teresa Cordioli
Sumaré - SP.


128- Paz

A Paz que eu tenho em mim
me faz contemplar o amor que vejo em voce
que sinto no ar, no bramido do próprio mar ...
A Paz que eu trago no peito
tem muito de Deus
tem muito de carinho, afeto e respeito ...
A Paz que mora em minh´ alma
nasceu de humildade e pobreza, não se adorna de ouro e riqueza
é singela, é pureza é feita apenas de Amor ...
O mundo se acaba aos poucos
em pecado, orgulho e avareza
povos que se maltratam e se matam brigando por terra triste riqueza ...
Do pó eu vim, nada trouxe além do sopro da vida
ao pó eu irei, mas morrerei com Deus
e a Paz que não é só minha levarei ...

*** Labirintos da Alma ***
Cel (Cecília Carvalho)
4/9/2006

127-NO CAMINHO 
 
Dize as rosas 
Que em cada canto 
Existe a harmonização do ser 
Que se propaga para o amanhecer 
Evidenciando a paz. 
 
Dize a natureza 
Que a cada novo dia 
Os homens já se unem 
Como a chuva bondosa 
Que banha a terra porosa 
Entoando um canto. 
 
Dize a mulher 
Que a brisa dos céus 
Derramam sobre a ela a paz
E a fragrância do Amor. 
 
Dize as crianças 
Que brincam de se esconder 
Que a cada olhar de sinceridade 
Os céus derramam sobre a terra 
A presença da esperança. 

Dize a Jesus 
Que o amar é se doar 
Como o sorriso das crianças. 
 
Mário Jorge
4/9/2006

128- Guerra…assunto difícil de falar!

Queria as palavras certas encontrar
Para vos poder da guerra falar
Dizer-vos que sonho realmente
Com a paz celestial,
O fim da guerra
Que de dia a dia se torna Mundial

Embora esteja ciente
Tratar-se de utopia!

Mas quem não sonha com tal?
Se em cada canto o que vemos
Nos faz arrepiar?

Gente sofrendo tormentos
Até morrendo
Apenas por falta
De um pouco de alimento!

Para poder isto visualizar
Basta olhar em redor
Mesmo cá em Portugal!

Pois mesmo neste belo cantinho
De gente franca e carinhosa
Ainda existe muita miséria
Escondida de maneira ardilosa!

Mas a verdadeira guerra
A que mata e tudo destrói
Deixa aniquilada uma Nação
Gente estropiada…
Sem lar, água ou pão…

Nação contra Nação
Sem uma real razão!

Por esses peço clemência
A quem por malvadez
E forte demência
Não sente pelo que fez!

Resta por tantos males
A nível Mundial
Deixar um sinal

Uma vela acesa
Pedido de clemência!

Fátima Rodrigues
Portugal
4/9/2006

129-CHORANDO ALEGRIA, CHORANDO PÉTALAS DE ROSA


Neste mundo de tantas crenças e raças
Clamo por uma almejada paz:
Paz sentida no silêncio das armas,
Paz sentida no chilrear dos pássaros
Enfeitando as árvores de uma pequenina praça.

Neste mundo de tantas crenças e raças
Não deveriam haver guerras nem em jogos de xadrez,
Os homens trocariam a sede mesquinha de poder
Por grandes somas de sensatez.

Neste mundo de tantas crenças e raças
Deveríamos unir todos os nossos meios
Para derrotar a fome que se alastra,
Para curar as doenças que a vida ameaça
Para vivermos livres de receios
Que sugam nossas forças e quebrantam nossa alma.

Neste mundo de tantas crenças e raças
Gostaria de ver o amor brilhar em cada casa,
Inundando o mundo com a paz preciosa,
Acalentando a criança que, hoje, chora lágrimas amargas.

Neste mundo de tantas crenças e raças
Clamo pela paz que agoniza por questões falsas.
Clamo pela paz, para que seja fênix vitoriosa,
Para não ver meus irmãos do mundo feridos,
Para não ver os pequeninos chorando oprimidos,
Para ver nos olhos a esperança preciosa.

Clamo pela paz, para que esta não seja enterrada
Em prantos de dor de uma ambição desenfreada,
Queimada ao detonar de um míssil no alvo errado,
Clamo pela paz vinda de seu ninho incendiado,

Trazendo o renascer da humanidade em agonia,
Para ver nos olhos um choro que seja de alegria
Pela Terra florescendo, outra vez, dadivosa;
Pelo céu derramando gotas de chuva purificada,
Sem ácidos ou pela radiação contaminada,
Como se estivesse chorando pétalas de rosa.

Regina Sant'Anna
(Abril de 2003 –
Clube da Poesia)

130-Paz

Falam tanto em paz, todos a procuram.
Falar de paz é fácil, é bonito...interessante.
Todos querem a paz, muitos buscam.
A paz não pode ser comprada,
Não pode ser negociada, nem arrumada,
A PAZ é conquistada. Uma conquista diária.
É um aperto de mão, um abraço apertado...
A PAZ está no brilho do olhar do caridoso.
Está nos gestos de carinho para os idosos.
Está na gota de orvalho que refresca a flor.
A PAZ está no perdão e na compreensão deste ato.
Está no sentimento de fraternidade, na justiça verdadeira.
No pão destribuido, no leite dividido.
Na palavra que acalenta, no gesto que afaga
No amor que tudo releva em nome da PAZ.
A PAZ está dentro de cada um, exteriorizando
Em nome da dignidade e honra, através
Da evolução do homem e amor ao próximo.

Heloisa de Freitas Abrahão 
4/9/2006
(Santa Catarina) 

131-
Metamorfose


No jogo de palavras brinco de utopias
desafio realidades...
Mergulho nas ondas de mim,
desnudo sem dó nem pudor
a intimidade do outro...
No jogo de palavras deslizo saltitante
entre nuvens púmbleas, carregadas de emoções...
Escancaro sorrisos em frases soltas,
ousadas e salientes,
reveladoras de alegrias insustentáveis...


Às vezes, qual pássaro ferido,
me arde o peito sufocante
em cumplicidade ao pranto de meus pares...
Nestes momentos se fundem
as tuas, as minhas lágrimas
em soluços bruscos, incontidos,
a rolar nos labirintos da dor,
até que se percam nas teias do mundo,
para se reencontrarem em exuberante metamorfose
no oceano das infindas e transcendentes possibilidades
que somos nós.

Cosme Belizário
5/9/2006













Obs: Espero com essa alcançar o mesmo êxito que juntos alcançamos , na maratona de ACRÓSTICOS, "O CLAMOR A PAZ" já seguiu seu curso...Espero levar comigo as tantas vozes do nosso Recanto das Letras. Repasse esse link a todos os poetas, de qualquer sitio, só serão aceitos POEMAS SONETOS E POESIAS , E os ACRÓTICOS serão bem vindos. A Primeira parte da Ciranda :http://www.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=215607 Estarei ao longo da CIRANDA, informando ao Ministério da Cultura suas participações. PRECISAMOS estaremos encerrando no dia 5/9/2006 . Se não conseguirmos editar uma antologia, traduzida, encontraremos, alguma fábrica de papel, que imprima em um grande rolo, para lermos em PARIS . Avante poetas! Seus textos deverão ser enviados para meu e-mail : dethaak@oi.com.br. quero 100 textos . Beijos poéticos morrendo do prazer.”A Poetisa dos Ventos”.




Deth Haak
Enviado por Deth Haak em 30/08/2006
Reeditado em 05/09/2006
Código do texto: T228778
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Deth Haak
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 57 anos
547 textos (65363 leituras)
50 áudios (9718 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:14)
Deth Haak