Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BICHO HOMEM

(Claraluna)

Na terra, nossa existência,

Tem uma motivação,

Fomos feita na inocência ,

De uma costela de Adão.

 

Por isso tá explicado

Essa desesperação,

Sem um homem ao nosso lado,

Entramos em depressão.

*****

(Milla Pereira)

Amiga, pois tenho dó,
De mulher abandonada,
Pois é muito melhor só
Do que que mal acompanhada.

Mas, convenhamos, querida,
Que aquele moreno gostoso
Não pode faltar nesta vida
O seu beijo carinhoso.

*****

(Claraluna)

Deus nos fez seres gregários
Pra não vivermos sozinhos,
Já chegamos ao centenário,
Ninguém muda seus caminhos.

Na velhice é que  sabemos
Quanto dói a solidão,
E assim sozinhos morremos
Com mágoas no coração.

É melhor ter um parceiro
Pra nossos pés esquentar,
Conversar, ser companheiro,
Um ao outro se amparar.


(Mira Ira)

Um ao outro se amparar,
Eu prefiro um cachorrinho,
É mais fácil de cuidar
E só fala um tiquinho.

Se eu pudesse escolher
Entre o homem e o animal,
Ficaria com o segundo
Pois é fiel e não faz mal.
*****

(Mila Pereira)

Eu só quero amparar-me
Em seu meigo e doce abraço,
Para quando eu cansar-me
de prender-me em outros laços.

Só você será capaz
De dar-me o que preciso,
Amá-lo cada vez mais
Recuperar meu juizo.

Vagando em outros caminhos
Eu feri meu coração,
Porém, tendo seu caminho,
Eu recupero a razão.
*****

(Claraluna)

Ó meninas injuriadas
Com esse bicho varão,
Não aprenderam, danadas,
Que eles dão a solução?

Podem ser chatos, ciumentos,
Mesmo quando são gagás,
Mas sem eles, o tormento,
É dificil suportar.

Deixa só aparecer, 
sua primeira ruguinha,
Pra você se aperceber,
Que tá ficando velhinha.

Então mudam os valores,
É uma revolução,
Descobres outros primores
Que te impediam a visão.

Eu prefiro o meu velhinho,
Cavalheiro, elegante,
Que eu não deixo sozinho
Pra não perder meu galante.

Que me ama e me respeita,
Conhece tudo da vida,
Que em hora insuspeita
Me oferece margarida.

Abre-me a porta do carro,
Diz que sou sua mulher,
Que eu sou feita do barro,
Do barro que o homem quer.

Eu também já tive um cão
Que latia como ninguém,
Símbolo da solidão,
Que hoje mora no além.
*****

Ciranda idealizada e 
publicada em 08/09,

pela amiga Claraluna
Re-editada aqui, 
com a sua devida autorização. 

http://www.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=643987
(Claraluna)

http://www.recantodasletras.com.br/poesiasdetristeza/655207 
(Mira Ira)
***


img171/6463/assinaturadireitosautorrw4.gif

 

 

 

 

 

 

Milla Pereira
Enviado por Milla Pereira em 17/09/2007
Código do texto: T655793

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Milla Pereira (http://www.millapereira.prosaeverso.net/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Milla Pereira
São Paulo - São Paulo - Brasil
2954 textos (494028 leituras)
42 áudios (7884 audições)
14 e-livros (6401 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 18:24)
Milla Pereira