Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A briga

Começou levando um pisão no pé e ele fez que não doeu. Um passo à frente e lhe veio o baita chute na canela. Dessa vez ele viu estrelas, sentou-se onde pôde, esperou a dor ir embora, abriu os olhos e se mandou. Chegou na cidade e se dirigiu ao barzinho para esquecer os hematomas. Escolheu a mesa afastada sob a árvore para ter tranqüilidade. Não assoviou ao garçom porque via grosseria no gesto, mas levantou a mão. O garçom não veio. Meia hora passada, e nada. Ele seguia lendo a revista semanal, coçando a canela doída e olhando o céu a escurecer para chuva forte. Novamente levantou a mão segurando a revista. O gerente viu que ele pedia atendimento, virou as costas e foi arrumar carteiras de cigarro anarquizadas por um funcionário novato do estabelecimento. Ele continuava a esperar. E já fazia quase uma hora. Até falou com a mocinha, mas ela se esquivou porque estava ali para limpar mesas, e não para servir. Sentindo-se um paciente dos serviços públicos de saúde, ele se levantou, foi à gerência e disse a absurda situação. Trovejou e choveu descontentamentos. Uma briga homérica foi o que provocou. Kafka passou a comandar o enredo e ele foi parar atrás das grades, onde mofou um longo período, lembrando-se de como seria bom se antes de toda a confusão ele tivesse ao menos tomado uma cervejinha.
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 25/11/2006
Reeditado em 25/11/2006
Código do texto: T300672

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (497665 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:43)
Wilson Correia