Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pára-quedas

Ela encarnou a agressividade porque essa foi a maneira de dar ao mundo a resposta que ele merecia. Ele não sabia disso e, no começo, até se divertiu com as crises que ela fazia. Feias. A primeira vez o celular se espatifou na parece e ele a fez sair para comprar outro. Menos mal. Mais grave foi quando ela defenestrou o forno de microondas: lá, após ter viajado vinte andares abaixo, virou um caco inaproveitável. A terceira vez, até as coleções de miniatura dele se foram e viraram pó. Quando a faca contundente parecia vir-lhe ao pescoço, foi a vez dele pular. Ufa! Ainda bem que aquele pára-quedas besta mantido empoeirado no canto da janela e agarrado no desespero abriu direitinho. Bem na hora agá.
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 25/11/2006
Reeditado em 25/11/2006
Código do texto: T300674

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (497847 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 01:59)
Wilson Correia