Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LENDA DO «SINAL DA CRUZ»

Conta uma antiga Lenda cristã que no sexto ano do seu reinado, o imperador Constantino confrontou-se com os Bárbaros nas margens do rio Danúbio. Pela aparência das forças em campo e pela disposição aguerrida dos adversários julgou-se que a vitória romana seria considerada impossível. Numa das noites sequentes desta constatação diz-se que o Imperador teria tido uma visão : no céu apareceu uma cintilante cruz de Cristo e por cima dela as palavras IN HOC SIGNO VINCES ( “com este sinal vencerás” ). O Imperador mandou imediatamente construir uma cruz, segundo a imagem visionada, e colocou-a à frente do seu exército. Apelou aos seus soldados para que reforçassem as suas posições e que acreditassem naquele sinal como se de um vaticínio de vitória se tratasse, pois que os deuses estariam com eles. Ordenou então que atacassem os inimigos. E tal foi o furor e violência do impacto que os Bárbaros, ao fim de algumas horas de refrega, puseram-se em debandada deixando toda aquela região na posse dos romanos.
De regresso à cidade, reuniu-se toda a Corte e, tendo-se discutido o acontecimento e os seus efeitos imediatos, concluiu-se da necessidade da protecção aos cristãos e da liberdade na sua catequese. Reconhecidamente foi decretada a lei da defesa do Cristianismo e o próprio Imperador terá pedido para ser baptizado na ocasião, dizendo alguns que por sugestão de sua mãe Helena, futura Santa Helena.
Mandando seguidamente Constantino edificar algumas igrejas para o culto da religião cristã conclui-se ser este o primeiro sinal concreto da era do desenvolvimento do Cristianismo no Império Romano.
Na sequência desta mudança na política de Estado e, de certa forma querendo regenerar o que de menos bom realizara na sua vida, Constantino enviou a sua mãe, a prestigiada Helena, a Jerusalém para que fosse procurada a verdadeira Cruz de Cristo. Uma vez na Cidade Santa, Helena mandou chamar os mais sábios e influentes sacerdotes aos quais, através primeiramente de argumentos diplomáticos e só depois chegando à aplicação de torturas, ao fim de aturadas iniciativas, conseguiu arrancar a confissão do lugar onde se encontrava a Cruz. Terá sido um tal Judas, na altura saduceu descrente activo, que confessou o lugar exacto. No monte da Caveira, do lado da lixeira do cemitério da Cidade Santa, perto do local onde a Tradição sempre situou a execução de Cristo à morte, aí encontraram de facto três cruzes ocultas. Mas como eram parecidas, seria necessário descobrir qual a verdadeira. O mesmo Judas sugeriu que fossem testadas colocando sobre elas o corpo de um jovem que, por coincidência tinha morrido de véspera, esperando-se a sua sepultura. Ora, perante o espanto de todos, ao ser colocado o corpo sobre a terceira cruz ressuscitou cheio de vitalidade e alegria. Foi este o sinal mais evidente da verdadeira Cruz, aquele que por sua intervenção foi garantia de Salvação. Este milagre teve as suas consequências imediatas de ressurreição, conversão e santificação : o jovem ressuscitou, o saduceu agnóstico – que não acreditava nem na ressurreição nem, muito menos, na imortalidade da alma – extasiado converteu-se e Helena santificou-se. Ela mesma, na hora de sua morte, pediu a todos os que acreditavam em Cristo que celebrassem a comemoração do dia em que foi encontrada a Cruz, a três de Maio. O jovem judeu ressuscitado passou a substituir a velha estrela de David, pendente do peito, por uma pequena cruz de madeira, em lembrança do mistério de Cristo. Nasceu aqui o hábito do uso dos crucifixos pelos cristãos. Quanto ao doutor saduceu agnóstico resolveu converter-se à mensagem do próprio Cristo. Dentro de algum tempo foi eleito pela comunidade de Jerusalém como seu bispo. Seria mais tarde reconhecido como São Judas de Jerusalém.


Adaptação de
Frassino Machado

""""""""""""""""""""""""""""""""""""""""
N. B. Há mais versões desta Lenda. Uma, com Constantino também passada não no Oriente, como esta, mas nas proximidades da cidade de Roma  aquando das lutas intestinas entre Constantino e
Maxêncio, para a conquista do poder. É a lenda da Ponte Milvius. Uma outra, mais recente, datada do Século XII, aquando das lutas pela nacionalidade portuguesa,em que o rei D.Afonso I também visiona o Sinal da Cruz, na véspera da famosa batalha de Ourique.
Ficarão para uma outra oportunidade.

Frassino Machado
FRASSINO MACHADO
Enviado por FRASSINO MACHADO em 01/12/2006
Código do texto: T306872
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
FRASSINO MACHADO
Odivelas - Lisboa - Portugal
1764 textos (46535 leituras)
20 áudios (848 audições)
2 e-livros (22 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 15:29)
FRASSINO MACHADO

Site do Escritor