Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os Amigos que Deus nos Dá e os Irmãos que Escolhemos (reflexão)

A melhor definição de amigos que já vi diz que amigo é o irmão que nós escolhemos. Eu completaria dizendo que os irmãos são os amigos que Deus nos deu. E ele me deu seis grandes amigos, o mais velho já convertido em anjo. Quando crianças, tivemos nossas briguinhas, normais entre irmãos, mas mantemos até hoje um relacionamento amoroso, bonito de se ver. Cada encontro festivo é sempre muito divertido, contamos piadas, compartilhamos histórias, lembranças, carinho. Somos a mais vibrante torcida pelo sucesso uns dos outros e nos momentos difíceis estamos sempre juntos, nos apoiando mutuamente.
Mas nem sempre os irmãos podem estar presentes. Temos nossas vidas, estudos, empregos, cônjuges e filhos. Mudamos-nos de casa, bairro, cidade. Às vezes, até de país. E convivemos com outras pessoas que acabam por fazer parte da nossa vida, tornando-se nossos amigos. São nossos irmãos de alma, não de sangue. E aqui, não vou falar dos meus amigos, que são muitos e valorosos e que sabem o quanto eu os prezo e amo.
Vou falar de uma outra amizade, linda e perene.
Um fato corriqueiro me inspirou este texto: preciso aparar os cabelos. Sem tempo de ir ao salão, lembrei-me da tia Hermínia. Lembrei-me das vezes em que nos sentávamos sobre a mesa de refeições na casa de minha mãe, para que ela, com sua tesourinha, desse tratos à nossa cabeleira. Não. Tia Hermínia não é uma cabeleireira. É vizinha e amiga da minha mãe há quase quatro décadas. Ambas estavam aqui em Brasília com filhos e marido - o dela chama-se Hermínio e nada me tira da cabeça que o namoro começou pela coincidência dos nomes -, mas afastadas de suas famílias que haviam ficado no Rio. Inevitável que a amizade surgisse, florescesse. Uma amizade rica, em que uma sempre está a postos quando a outra precisa. Uma amizade bonita, com altos e baixos como qualquer outra - os baixos quase todos provocados pelo gênio da minha mãe (ainda bem que eu herdei o temperamento do papai) - mas que resiste ao tempo e às crises, sempre cada vez mais fortalecida. Uma amizade que justifica a definição de amigos do início do meu texto. As duas são irmãs de alma. Tanto que desde o início a chamamos de tia. Nossa querida tia Hermínia.
Escrevi este texto não como uma homenagem à tia Hermínia, embora ela mereça muitas, mas como uma celebração à amizade. A vida dessas duas mulheres poderia ter sido muito mais fácil se elas tivessem permanecido ao lado de suas famílias, mas, com toda a certeza, teria sido muito mais difícil se elas não tivessem se aceitado como a família uma da outra.
Especialmente nesta época de Natal e Ano Novo, celebremos, renovemos nossas amizades. Aquelas dadas por Deus quando nascemos. E aquelas que Deus nos dá depois.
Nena Medeiros
Enviado por Nena Medeiros em 08/12/2009
Reeditado em 14/12/2009
Código do texto: T1966542
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Nena Medeiros
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 47 anos
1045 textos (209280 leituras)
10 áudios (512 audições)
2 e-livros (34 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/14 00:39)
Nena Medeiros

Site do Escritor



Rádio Poética