Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ROTINA MAÇANTE

Aisbem Akiter sempre quis viver de uma forma bem diferente dos demais habitantes da Terra, mas é frustrado pela sua vida cheia de normas, logo rotineira.

Ele é bem normal: de baixa estatura, tem os olhos atribulados pelo sono e testa com várias saliências de preocupação.

Akiter sempre almejou ter uma casa confortável, que lhe oferecesse um quarto com uma janela que permitisse a entrada do sol para acordá-lo todas as manhãs tranqüilamente. Este foi mais um desejo listado no seu “livrinho de sonhos”, como os demais, só aconteceria se sua vida sofresse uma ascensão brusca...

O rapaz foi surpreendido por uma promoção na empresa, outro ocupante do seu livrinho de sonhos agora poderia ser riscado dele com o pagamento de um único preço: ter que chegar mais cedo durante uma semana, obviamente o trabalho seria dobrado. Nosso amigo não pensou duas vezes:

-Eu vou!!

No dia seguinte, é atazanado por um barulho ensurdecedor: o despertador, que comprara no mesmo dia de sua promoção. Atarantado, nem percebeu o sol ainda tímido, saltou furtivamente da cama, já eram 05:00 da manhã. Nem tomou banho e malmente tomou café. Arrebatou o pão da mesa como um ladrão a ser descoberto, sai.

O ponto de ônibus fica distante de sua casa, então a passos de canguru vai pulando os carros e vê que seu transporte já se encontra lá, na “casinha dos desesperados”.

        Pobre Aisbem não seria mais acometido pelas resenhas dos amigos...
UFA! Já está no ônibus, o corrimão não coopera com sua estatura...

-Que pena – pensava desolado – O bom dia ao cobrador não seria mais o mesmo...

        A máquina de ponto hoje não mais terá o seu calor, o seu carinho... Mas claro. Claro que sim, todo seu afeto será compartilhado, durante um dia intero, por horas ininterruptas, junto a um saco  de 60 kg, com quem dividirá seu suor.

        Ofegante, chega ao fim de um dia exaustivo de trabalho, é o começo da infernal volta pra casa.
Coitado! É sugado pelo ônibus até sua morada.

-Como cheguei aqui? – Quase sem forças ate mesmo para pensar.

        Que momento de delírio... ao chegar em casa é convidado por uma poltrona, bastante cordial, para um descanso antes do banho... banho? A televisão por sua vez, sempre querendo deixa-lo em forma, rouba-lhe um pouquinho a atenção: o intrui com exercícios simples para uma vida vigorosa...

-zzzzzzzzhaaaaa.

Amanhã? Tudo recomeça!!


Autor: Jô Fernandes
Leila Barreto
Enviado por Leila Barreto em 02/08/2006
Código do texto: T207239
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Leila Barreto
Salvador - Bahia - Brasil, 30 anos
51 textos (4395 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 01:58)
Leila Barreto