Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
POLIVALENTE QUE NÃO VALE NADA

Quando eu descobri que nunca
seria um “grande alguma coisa”


     Eu achava que todo mundo era como eu: tinha múltiplos interesses. Pensava, realmente, que qualquer pessoa tinha múltiplas habilidades e, por isso, eu vivia feliz. Era apenas mais um, igual a todo mundo. No entanto, ao longo dos anos, fui percebendo que não é bem assim que a banda toca.
     Pare e reflita: quantas pessoas você conhece, ou já ouviu falar, que são muito boas em várias coisas (não vale citar Leonardo Da Vinci)? Tudo bem, tem o Jô Soares, que é um monte de coisas, mas em todas elas é sempre um excelente humorista ... Cite outro assim, de estalo, sem pensar muito! Pois é, quase todo mundo que faz sucesso em alguma área só é bom naquela área específica. É absolutamente focado. Quando muito, deixa espaço para um hobby, nem que seja a família.
     Pelé foi o maior jogador de futebol do mundo – só isso! Tentou ser cantor, foi um desastre. Quando abre a boca para falar, então, é um Deus nos acuda. Fernando Pessoa dividiu seu único (e maravilhoso) talento, escrever, entre vários poetas. Tinha lá o hobby da astrologia, mas só isso. É sempre assim: o cara é bom demais numa área, a ponto de ignorar o resto. Veja Garrincha, um gênio da bola, que foi um fracasso na vida pessoal. O que passa para a História é o seu talento, não as suas várias habilidades ou interesses. O polivalente não vale nada.
     É uma constatação cruel, mas me trouxe de volta à realidade. Por acaso existe um Nobel para a polivalência? Um Oscar? Um Grammy? Não, o que se destaca é o talento específico, individualizado. “Seja bom em alguma coisa na vida”, dizia minha mãe. Sábio conselho. Às vezes a gente perde tanto tempo e energia tentando ser bom em várias coisas, que acaba sendo ruim em todas. Quantas bandas de um homem só você conhece? Existem, é claro, as atividades correlatas, mas a pessoa precisa ser muito boa em uma delas para se destacar na multidão.
     Por exemplo, Fred Astaire, como ator, era um excelente dançarino. Madonna, como atriz, é uma cantora sexy, e vai por aí. Bush é só o presidente dos Estados Unidos ... bota o cara para ser bancário no meu lugar e você verá o desastre! E não vale citar o Ronald Reagan e o Arnold Schwarzenegger, que eram canastrões no cinema e acabaram na política: todo político é, antes de tudo, um canastrão. O Lula faria um ótimo jagunço na ficção.
     Às vezes falo com meus filhos, em tom de brincadeira: “papai é quase um artista – tem uma porção de meios-talentos”. Lembro do meu dilema, às vésperas do Vestibular, e lá se vão quase vinte anos: jornalismo, publicidade, letras ou história? Nunca estive muito certo do que fazer na vida. Optei pelo jornalismo por dois motivos: achava meu “talento” mais sólido o de escrever (isso ainda acredito) e tinha a ilusão de que saltaria facilmente das páginas dos jornais para os livros. Isso, só quando o cara é mago feito o Paulo Coelho.
     Quinze anos depois, às voltas com a dura vida (em todos os sentidos) de jornalista no interior, percebi que estava engavetando meus sonhos, meus “meios-talentos”, minha alegria. Ganhava mal, não tinha tempo nem disposição para a arte. Deixei o teatro de lado, não fui em frente com projetos musicais, nem mesmo publiquei um livreto mimeografado.
     Foi nessa hora que arrisquei a mudança: fiz, e bem, um concurso, entrei para um banco e descobri outro “meio-talento”. Dei adeus, sem saudades, à antiga profissão e decidi que a nova me daria tempo e estabilidade para conviver com a ingrata polivalência – sem exigir resultados, porque fama é outra história. Reservo tempo para escrever, tocar, aprender outros instrumentos, até mesmo para o teatro. Faço novos amigos, converso com astrólogos pela internet, tenho uma vida que me agrada, fora do dia-a-dia naturalmente agitado e estressante.
     Sei, há muito tempo, que não vou me tornar um “grande alguma coisa”, mas estou me dando a chance de ser um “pequeno várias coisas” ... É uma segunda chance, que só o amadurecimento permite. E não tenho a menor pressa: lidar com o tempo é outro dos meus “meios-talentos”.

(Direitos reservados ao autor - Primeira publicação em 04/05/2005 no blog do autor)

William Mendonça
Enviado por William Mendonça em 13/09/2006
Código do texto: T239494
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
William Mendonça
Tanguá - Rio de Janeiro - Brasil, 47 anos
279 textos (55666 leituras)
16 áudios (7515 audições)
11 e-livros (33272 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:36)
William Mendonça

Site do Escritor