Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
A LIRA DOS VINTE ANOS

Porque escrever poesia é a minha
melhor maneira de falar 

     Tomo emprestado o título de um célebre livro de Álvares de Azevedo para falar não sobre os vinte anos de idade – a juventude e suas particularidades – mas sobre os meus vinte anos de poesia. É uma coisa engraçada, mas guardo exatamente o dia em que comecei a escrever poesia: 050de abril de 1985. Meu primeiro poema, um soneto, está datado, na velha folha de caderno em que ficou, talvez para que eu nunca me esquecesse daquele dia. 
     Eu já havia tentado escrever alguma (pouca) coisa em versos desde os meus 13 anos, mas era algo tão ruim (e minha autocrítica era, simplesmente, terrível) que nada sobreviveu. Até aquela época, eu desenhava constantemente e achava que esta seria a minha forma de expressão. Só que a adolescência sempre reserva surpresas. Alguns mestres vieram e me mostraram aquele novo caminho. 
     Não conheci qualquer um deles pessoalmente, mas sei que entrei em contato com a sua essência. Com pouco dinheiro no bolso, mas com aquela sede de conhecimento que me move, eu perambulava por livrarias e lojas de discos. Nos sebos, comecei a comprar edições antigas (para não dizer velhas) de alguns poetas. Outros vieram com os livros de bolso, na época bem baratos, da Ediouro. Os brasileiros, de várias épocas, chegaram primeiro: Bilac, Bandeira, Augusto dos Anjos, Castro Alves, Cruz e Souza, Gregório de Mattos, Drummond, Vinícius ... 
     Aqueles livros, que reuniam “o melhor de...” ou “poesias completas de...”, abriram meus horizontes como leitor e plantaram a semente do escritor que, desde então, venho lutando para me tornar. Com eles aprendi coisas “fora de moda”, mas úteis para quem quer escrever poesia sabendo o que faz, como rima, métrica e formas clássicas – o soneto, por exemplo. Principalmente, entendi que é possível levar o nosso mundo (íntimo ou externo) aos outros, para nos fazer ouvir. 
     Sinto que, como capricorniano que sou – um pouco lento, é verdade – ruminei aquelas informações por algum tempo, talvez meses, até que naquele dia 5 de abril fui compelido a escrever. A escolha do soneto, por estranho que pareça, foi natural – era o que eu mais gostava de ler. Durante seis meses escrevi quase duzentos sonetos, e uma quantidade muito menor de outros poemas. 
     A maioria desses primeiros versos hiberna hoje em uma pasta, pois grande parte é realmente irregular e fruto da necessidade (quase física) de escrever. Mas muitos deles venceram minha autocrítica (ainda terrível) e se mantêm vivos, reunidos em livros que nunca publiquei, pois nunca sobrou dinheiro ... 
     Nos três anos seguintes, produzi muito, e a poesia ganhou a cara que tem hoje. Disse-me um amigo que foi aí que meus versos ganharam “personalidade”, ou seja, ficaram com a minha cara. Eu escrevia em qualquer lugar, a qualquer hora, causando até algumas situações insólitas. Nessa época, quando terminei o segundo grau e entrei para a faculdade de jornalismo, tomei contato mais direto com outros poetas que pouco lera até então. 
     Fernando Pessoa e Florbela Espanca – para mim, parte da trindade portuguesa com Camões – Baudelaire, Shakespeare, Byron, Shelley, Dante, Neruda, tantos que não poderia citá-los todos. Brasileiros como Jorge Lima, e sua fantástica “Invenção de Orfeu”, e os poetas da “Geração do Mimeógrafo” dos anos 70, como Leminski, Ana C., Chacal e Cacaso – que desbundaram minha poesia, deixando-a mais sucinta, às vezes como um ideograma. Ah! É claro que há influências diretas, pessoais. Os amigos poetas com que convivi, em diferentes épocas da vida, muitos que não vejo há vários anos. 
     Deste caldeirão de influências, que sempre faço questão de citar por absoluta reverência, nasceu esse poeta que hoje completa vinte anos de versos, mas havia outro ingrediente na mistura que precisa ser citado: a minha experiência pessoal. Todo poeta, por mais influências que receba, traz em si um DNA único, intransferível, que faz de sua poesia (independente do que se possa chamar “qualidade”) a “sua poesia”. 
     Com os blogs que pari neste ano, posso compartilhar meus versos e esta história com velhos e novos amigos. A todos vocês, que lêem o que escrevo, meu agradecimento. Quem sabe isso me leve a mais outros vinte anos de poesia. 

.........................

     Em tempo: Neste ano de 2006 completei 21 anos de poesia e dei o passo importante de me unir aos colegas do Recanto das Letras e criar um site para divulgar o que escrevo. Os próximos 20 anos estão apenas começando.

(Direitos reservados ao autor. Publicado pela primeira vez em 05/04/2005 no blog do autor)
William Mendonça
Enviado por William Mendonça em 23/09/2006
Código do texto: T247457
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
William Mendonça
Tanguá - Rio de Janeiro - Brasil, 47 anos
279 textos (55585 leituras)
16 áudios (7513 audições)
11 e-livros (33250 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:10)
William Mendonça

Site do Escritor