Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desabafo filosófico ao término

Hoje, vendo um filme qualquer de madrugada, em uma cena onde uma mulher morre, sua melhor amiga faz um belo discurso e no salão há várias pessoas; pois bem, fiquei pensando muito nesta cena.
Sobre a morte, mas principalmente sobre a vida e sobre as pessoas.
Será que todas aquelas pessoas ali presentes no velório tinham assuntos a resolver com o defunto, como por exemplo, um pedido de desculpas, uma tarde de conversa adiada, brigas bobas mal resolvidas, ou até mesmo uma amizade cortada onde a morte magoou amargamente a falta da possibilidade de reconciliação.
Enfim, pensei em minha vida... E percebi que tenho muitas coisas para fazer, e não ficar trancada em meu quarto vendo a vida passar e me relacionando virtualmente, com medo de novamente conhecer pessoas novas e as mesmas serem mais um motivo para que eu esteja onde estou agora, atrás de um muro.
Sei que se relacionar é difícil, mas o que adianta tentar descomplicar se a outra não tenta, não faz um mínimo esforço e não dá à mínima? Vale a pena?
Com certeza se eu fosse “dessa para a melhor”, iria triste, há tantas pessoas que gostaria de ouvir um "Que bom lhe rever, quantos anos já se passaram", ou "Me Desculpe", infelizmente, as pessoas só falam isto quando você já não pode mais ouvi-las.
Por isso me esforço em mostrar o quanto gosto das pessoas que me relaciono: Mandar cartãozinho de natal todos os anos? Escrever lindos testemoniais no orkut? Quando um amigo (a) se muda e não aparece, não dá notícias, corro atrás pesquisando, ligando pedindo informação até encontrar? Sem ser um dia especial, comprar uma pequena lembrancinha, nem que seja uma palheta e presentear meus amigos? Mandar um cartão no aniversário ou um cartão virtual sem ser uma data especial?
Pode parecer exagero, maluquice, ou até perda de tempo, mas EU FAÇO ISSO.
Perder alguns minutos de seu tempo para demonstrar o quanto às pessoas são importantes, não mata ninguém.
Infelizmente, muitas pessoas não pensam na simplicidade das coisas, simplesmente as deixam passar... Com a idéia de que um dia irá concertar, ou pior, seguem em frente sem dar à mínima!
Triste a vida destas pessoas...
Então concluindo este desabafo filosófico, espero que em meu velório, as pessoas pensem apenas "Foi muito bom enquanto vivemos, vá com Deus, e não preciso lhe dizer ou pedir nada, pois fiz tudo isso enquanto vivia".
Remorso dói muito, e por isso, se infelizmente algum amigo morrer, só poderei dizer uma simples palavra: "Adeus", pois o resto já disse tudo!


________________________________________________________
© Copy Right 2006 Todos os Direitos reservados a autora.
Rafaela Malon
Enviado por Rafaela Malon em 01/12/2006
Código do texto: T306387

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Deverá citar o link (http://recantodasletras.uol.com.br/autores/rafamalon) seguido de meu nome.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rafaela Malon
Assis - São Paulo - Brasil, 31 anos
125 textos (8189 leituras)
5 áudios (737 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:20)
Rafaela Malon