Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sob efeito

Não lembro onde foi, não lembro. Lembro de alguns detalhes que desorganizados gritam ao meu ouvido e me obrigam a lembrá-los, fazem questão de virem à tona, não sei se é para me envergonhar ou para me exaltar. Espremo minha memória e tento extrair o conjunto completo de imagens que irá desvendar o acontecido na noite passada.
Era só por deleite e comemoração sem motivos, e desde quando se precisa de motivos para se comemorar? Comemoro do primeiro dia do ano até o revellion, dia do cachorro, da água e toda e qualquer data que me faça degustar um bom vinho.
Consciente e livre de perturbação, lembro-me que depois da terceira taça fui tomado por um mar de lembranças e descobri que era proprietário de inúmeros imóveis e possuía centenas de contas bancárias. Sem egoísmo, contei a boa nova aos meus vizinhos de mesa e feliz como nunca, esbanjei suspeita riqueza.
Ego transbordando, conquistei todas as mulheres – pelo menos achava – poesias e romantismo fluíam descontroladamente e quanto mais falava mais me empolgava. Insatisfeito com minha desenvoltura e querendo desfazer do meu poder sedutor, um desprovido de romantismo avançou em minha direção com intenções destruidoras, depois de observar que nem o grande guerreiro Aquiles me intimidava, recuou, com braveza e valentia espantei qualquer intenção de subjulgar minha atuação.
Queria lembrar do semblante de uma mulher que estava em uma mesa à frente da minha, estava com algumas amigas, mas não lembro se eram quatro ou oito (...) não lembro, acho que eram mais, sempre surgia mais uma e todas gêmeas.
Estava farto de comemoração e com o coração alegre decidi partir, tive a impressão de estar a bordo de uma embarcação que navegava em um mar agitado, pois, estava difícil de me manter de pé. As estrelas teimavam em mudar de lugar e o chão ondulava como o mesmo mar que agitava a imaginária embarcação.
Antes de brigar com a porta e fazê-la parar de mudar a fechadura de posição, ouvi alguém gritar: “vá dormir bebum”.
Michel Leal
Enviado por Michel Leal em 24/10/2005
Reeditado em 19/02/2016
Código do texto: T62928
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Michel Leal
Salvador - Bahia - Brasil
37 textos (26803 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:31)
Michel Leal