Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEZ ANOS DE TINTAS E PINCÉIS

DEZ ANOS DE TINTAS E PINCÉIS

Wanderlino Arruda

Lembro-me como se fosse ainda hoje o dia em que, na casa de Samuel Figueira, eu dera palpites, mais do que o usual, na sua forma de pintar, no uso das cores, na escolha dos temas e creio que até na evolução dos seus quadros. Devo ter exagerado na função de crítico, e foi daí que veio o desafio: Por que eu, que queria saber tanto de pintura, não tentava fazer um quadro ali mesmo, diante dele, de Mila, sua mulher, e de Shirley Durães, que os visitava naquela tarde de domingo? Insulto ou convite, chamamento ou convocação, fosse o que fosse, não me fiz de rogado e lancei-me ao trabalho, imediatamente, pintando a minha primeira paisagem azul, branca e verde, chapada, lisinha e até com um pouco de transparência. Para começo, creio que foi até um sucesso, em pouco mais de duas horas, com ele Samuel orientando aqui, orientando ali, e até ajudando dar uns retoques nos coqueiros, porque me faltava naquela hora uma certa leveza que, aliás, falta até hoje.
Há poucos dias, em Mirabela, Shirley me lembrou da façanha e perguntou-me se valeu a pena todos estes anos de aventura no mundo dos tubos de tinta, de pincéis, de espátulas e de telas. Quis saber também se eu me considerava mais feliz com a atividade de pintor, metiê que sofre tanta crítica de quem entende do assunto e até muito mais de quem não entende nada. E qual seria minha resposta?
Claro que tudo vai bem, a pintura tem sido um grande passa-tempo, um exercício de paciência realmente maravilhoso, uma nova fonte de estudos, um encontro e reencontro com a arte que tem atravessado séculos de admiração e encantamento. Quando estou pintandio, as horas passam como verdadeiros sonhos, interessantes, cheias de gratificação mental, gostosas mesmo. E quanto às críticas, principalmente as desfavoráveis, têm-me ajudado muito, contribuem para mudanças e busca de melhor desempenho.
Na verdade, não sei como ando, porque há muito tempo não me encontro com Samuel e com Konstantin, meus dois orientadores mais exigentes que, elogiando, ainda fazem reparos, dão sugestões, nunca se mostram totalmente satisfeitos. Não falo de Godofredo, porque este nunca acha boa a pintura de ninguém e só raramente dá uma palavra de incentivo, tanto faz para velho como para novos. É que o bom GG acha a profissão muito sofrida, trabalhosa, difícil. E também para ele, pintura só vale a clássica – acadêmica - a real nas cores e na forma. Essas invenções nossas são coisas de gente que acha que sabe, mas, não sabe... Cristina, há poucos dias, olhou quase tudo que preparei para a minha exposição do dia 3 de julho, no Centro Cultural, disse que gostou, mas, perguntou porque eu havia abandonado a pintura de flores... Os críticos da família, a Olímpia, a Wladênia, a Rízzia, a Nádia, estas seguem cada trabalho e servem de “feedback” no exato minuto de cada pedido de avaliação. Wlader, Danilo, Denílson,Wanderlino Filho andam meio ausentes no momento.
É o que tem acontecido e não posso me queixar. Não me têm faltado os melhores e mais proveitosos momentos nestes dez anos de trabalho, exatamente quando vou completar o primeiro meio século de vida. Pintar tem sido uma distração, uma forma de paz interna e externa, uma evocação de viagens, um rememorar de paisagens. Depois que comecei a pintar, a Natureza jamais passou por mim (como eu tenho passado por ela), como página em branco. Cada estrada, cada pedaço de céu, cada folhagem, uma superfície de água, por menor que seja, é sempre uma festa para os olhos e para a imaginação. O pintor é um ledor de cores, de movimentos, de formas, um visualizador e dimensões que existem e que não existem...
Já ia me esquecendo de fazer um conserto sobre o relacionamento de Godofredo com os seus colegas menores da arte pictórica. Ele não gosta é de pintura dos outros. Dos pintores ele tem sido grande amigo. No que me toca, o mestre Godô só tem me dado palavras de entusiasmo. Talvez seja eu a única pessoa a quem ele tenha procurado ensinar as técnicas de pintura. E sou-lhe muito grato por isso!


http://www.wanderlino.com.br
http://www.wanderlino.com.br/academia
http://www.wanderlino.com.br/elosclube
Wanderlino Arruda
Enviado por Wanderlino Arruda em 24/12/2004
Código do texto: T906
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wanderlino Arruda
Montes Claros - Minas Gerais - Brasil
82 textos (71261 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:39)
Wanderlino Arruda