Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA POÉTICA CONSEQÜENTE

Entrevista com Paulo Machado

PAULO Henrique Couto MACHADO nasceu em Teresina, em 1956. Advogado. Defensor Público. Poeta e contista. Pertence à Geração Pós-69. Participou de coletâneas e antologias. Ganhou alguns prêmios literários. Na década de setenta, fez política estudantil e editou, ao lado de companheiros de geração, o jornal mimeografado "ZERO". Integrou o grupo responsável pela edição do jornal alternativo "Chapada do Corisco", em 1976 e 1977, em Teresina. Publicou Tá Pronto, Seu Lobo? e A Paz do Pântano, livros de poesia. Integra a comissão editorial de literatura da revista Pulsar

PAULO MACHADO: UMA POÉTICA CONSEQÜENTE

EPS – Paulo, sobre a gênese da tua lavoura poética – a realização dos teus poemas – quais os processos predominantes?

PM – Eu considero que a minha poesia tem a predominância da função épica sobre as funções líricas e dramáticas. Talvez, por esta razão, eu tenha, na condição de poeta, me comportado como um observador de episódios humanos, vivenciados dentro de um espaço urbano, especificamente a cidade de Teresina. Estas notícias humanas são sempre relacionadas a cidadãos e cidadãs anônimos. Estes episódios relatados buscam ressaltar o que, talvez, seja a característica da espécie humana. Sobre este aspecto, eu procurei sempre um distanciamento, para que as minhas virtudes ou meus defeitos não interferissem, ou interferissem o mínimo possível, na elaboração do texto. Texto construído a partir do que emana das próprias personagens. Como técnica de elaboração do texto, eu procurei, conscientemente, utilizar uma linguagem concisa, objetiva e realista. Para tanto, eu preferencialmente usei verbos e substantivos, refutando o máximo possível o uso de adjetivos. Em termos de construção da linguagem poética, eu entendo que as figuras de estilo usadas por mim são, predominantemente, as de pensamento e as que se referem à criação de imagens. Dentre as primeiras, talvez a mais predominante seja a ironia. E dentre as segundas, talvez as mais predominantes sejam a metáfora e a metonímia. Raramente, eu lanço mão de figuras de estilo que remetam a uma riqueza polifônica, como ecos, aliterações e assonâncias. Daí que, talvez, a minha poesia, vinculada à classificação dos textos, é logopéia e, num segundo momento, a melopéia e, quase inexistente, a fanopéia.

EPS – Que seriam as imagens, então...

PM – É. Ressaltando que há um jogo de pensamento. E isto remete à própria etimologia grega do que seja poema – que é “aquilo que se faz”, e é uma construção verbal de tamanho pequeno, mas sempre com a insistência de um enredo. Existe uma narrativa, o caráter narrativo. E a etimologia da palavra poeta, que é exatamente “aquele que faz”.

 

“DAÍ QUE, TALVEZ, A MINHA POESIA, VINCULADA À CLASSIFICAÇÃO DOS TEXTOS, É LOGOPÉIA E, NUM SEGUNDO MOMENTO, MELOPÉIA E, QUASE INEXISTENTE, FANOPÉIA”

 

EPS – Então, você procura resgatar o sentido etimológico, original da expressão poética. É este o seu projeto, como disse o Chico Castro, achar a poesia no seu estado de pureza e graça?

PM – Sim. Inclusive vendo, tentando ver, a expressão poética em episódios que, comumente, são vistos como antipoéticos. Onde estaria a poesia num episódio urbano relacionado à morte de um cidadão anônimo por atropelamento, numa avenida da cidade? Mas, e se nós pegarmos aí o episódio morte, como sendo uma das incógnitas para a espécie humana: o que vem a ser a morte? por que morremos? e o que nos faz morrer? A morte absurda de um ser humano, dentro do espaço urbano de uma cidade, onde as pessoas que lidam com o trânsito – aquelas que têm a responsabilidade de discipliná-lo, não o disciplinam bem; e as que têm a responsabilidade de seguir as orientações de sinalização, não as seguem. É que, na verdade, os responsáveis pelos episódios de morte, somos nós próprios: não é o fato de existirem ciclistas, pedestres, motociclistas e condutores de automóveis ou de caminhões, ou de ônibus, que faz com que aconteça ou deixe de acontecer acidentes. E, depois, como é que esse episódio é recepcionado por outros seres humanos... que eu destaco, em dois momentos, o episódio um, um poema que faz referência ao episódio de morte de um ciclista por atropelamento, e o episódio de um pedestre. Tanto o ciclista quanto pedestre, eles são apenas uma atração de curiosidade para os outros seres humanos que habitam a cidade, mas em nenhum momento há manifestação, por exemplo, de solidariedade, com a prestação de socorro. Então, isso, que teria sido um material antipoético, eu tentei - não sei se consegui, eu procurei transformar em poesia. Como também episódios humanos menores, também considerados menores e até antipoéticos, como a presença de uma. mendiga numa rua do centro da cidade, que pessoas passam por ela diariamente e nem se apercebem da existência dela; até mesmo quando ela deixa de existir, as pessoas também não se apercebem dessa inexistência - é o caso do resgate de vida da Madalena, que era uma mendiga que fazia ponto de mendicância na Simplício Mendes, no centro antigo, no perímetro urbano da cidade de Teresina. Ou a presença do que, hoje, seriam meninos de rua (não por outras razões, no momento em que eu presencie o episódio, eram negros, e eu os evoquei como sendo "negrinhos descarnados"), que estavam a catar laranjas e limões podres no mercado central da cidade de Teresina...

EPS - Paulo, nesse sentido, a tua poesia, o teu poema, a tua poética é um testemunho histórico - aquilo que você viu, captou e transformou isto em emoção estética.

PM - Quase sempre, porque às vezes também lanço mão de informações obtidas de outros...

EPS - Mas também é história.

PM - Sim. Também é história contemporânea o episódio não presenciado ou testemunhado por mim, resgatado de relatos, do relato oral de outras pessoas que testemunharam estes episódios, a não ser quando, num determinado momento, eu trabalhei, especificamente, com o que também é dito como algo antipoético, e tem a ver, no caso, com a história pessoal - seria resgatar um documento em relação ao meu avô... e eu tentei também, a partir do documento, com a linguagem, inclusive através da qual o documento tinha sido escrito, transformá-lo numa matéria poética...



“NO MEU CASO, EU TENTEI TRABALHAR COM O FATOR DETERMINANTE TEMPO, COMO CONDUTOR DA ELABORAÇÃO DOS TEXTOS”
 


EPS - E o tempo, Paulo - no “Libertinagem” você trabalha com tempos verbais -, como entra a questão do tempo, o tempo histórico, o tempo não-linear, do tempo eterno, como que entra no teu trabalho?

PM - Bom... Isto é a partir de uma informação que, por leituras - e eu sempre fui um ser orientado para leitura, tive esta oportunidade de ler desde criança - cheguei a uma conclusão - através de muitas leituras - de que a literatura, qualquer que seja ela, de qualquer nação, se faz a partir de um trabalho de reconstrução de memória ( - as memórias individuais que, reconstruídas, dão como resultado a memória coletiva). A partir desse ponto de vista, é que eu elenquei o tempo como sendo, talvez, o fator determinante da produção literária, no meu caso, poética, (pra outras pessoas, poderia ser a reconstrução através de uma prosa de ficção, de um romance ou de um conto ou de uma novela). No meu caso, eu tentei trabalhar com o fator determinante "tempo", como condutor da elaboração dos textos. Na confecção, por exemplo, de “Tá pronto, seu lobo?”, o livro foi planejado de tal sorte que o primeiro poema que abre o livro, que é o “Post card 57/77”, à época era o poema escrito mais próximo da data de lançamento do livro, e o último poema - o “Libertinagem” - é o que tinha sido escrito a um tempo maior, mais distante da data de publicação do livro. Haja vista que todos os poemas, os 22 poemas que compõem o “Tá pronto, seu lobo?”, todos foram escritos e reescritos num interstício de tempo entre 1974 e 1977 (o livro foi editado em janeiro de 78).

EPS - Paulo, no teu percurso poético, vemos incursões épicas, líricas e até na estética concreta; como está se processando isso na tua construção literária?

PM - Eu estou tentando dar continuidade a dois projetos paralelos. Um primeiro, que é a continuidade do trabalho iniciado com “Tá pronto, seu lobo?”, e num segundo momento com "A paz do pântano"; e um outro, que é a elaboração de poemas não-discursivos, que até este momento continuam inéditos, não foram publicados nem mesmo em jornais ou revistas...

EPS - ...Aquela antologia “Baião de todos” tem três poemas que são desta estética não-discursiva...

PM - Exato. Ali é uma mostra do que estou tentando fazer, na outra vertente. Existem outros poemas; no momento oportuno, se eu tiver condições, ponho a público, através de um livro.

EPS - Historiador, advogado, poeta: como é que você convive, Paulo, com a multiplicidade?

PM - Na verdade, a atividade como advogado tem uma característica que a aproxima das outras duas: porque eu tenho tentado compreender a estrutura agrária brasileira e tenho tentado uma. especialização, a meu modo, como agrarista. Essa atividade me levou à necessidade de conhecer, pelo menos dentro das minhas limitações, o processo histórico brasileiro e piauiense. Fato que me conduziu, por exemplo, a realizar uma pesquisa sobre o extermínio e a espoliação das nações nativas, que habitaram o Piauí no século XVII até meados do século XVIII. No trabalho eminentemente literário, essa orientação para a História só fez me ajudar, me deu chance de fazer algumas reflexões para que eu pudesse transformá-las, ou pelo menos tentar, transformá-las em texto literário, no caso específico um texto literário com a feição poética.
 


“NA VERDADE, EU SOU MAIS FREQÜENTEMENTE POETA QUE UM FICCIONISTA...”

 

EPS - Você enveredou também pelo campo da ficção. A tua ficção tem essa mesma matriz, essa mesma origem?

PM - Tem. Na verdade, eu sou mais freqüentemente um poeta que um ficcionista, mas as poucas experiências que eu tive com a elaboração de contos foram realizadas com esta mesma perspectiva. O conto “O anjo proscrito" é uma revisão de um episódio histórico do período republicano. E os outros contos, curtos, com personagens anônimos, eles são sempre orientados para a vertente histórica, brasileira ou teresinense, especificamente.

EPS - Que referenciais estéticos, políticos e ideológicos você usou para cunhar a expressão "Geração pós-69"?

PM - Bom... em primeiro lugar, referencial histórico-cultural, porque a geração cultural que surgiu depois do fechamento do ciclo da geração de 60, no âmbito da literatura, foi rotulada por jornalistas e ensaístas como sendo a geração do mimeógrafo (incluindo aí tanto novelista, contista e poeta, mas excluindo as outras expressões artísticas) ou por outros como sendo a "geração marginal". Desde o primeiro momento, ao tomar conhecimento dessas rotulações, eu entendi que elas eram errôneas - e aí precisaria dar uma re-orientação. Eu peguei um fato político-cultural universal no ano de 69, que foi a chegada do homem à lua, como sendo um fato que definia um corte cronológico, no que aconteceu antes e no que deveria acontecer depois desta data. E algumas manifestações na área de cultura (algumas delas inclusive realizadas no Brasil, com destaque, inclusive, para uma forma nova de se fazer jornalismo impresso, que é em 69 o surgimento do Pasquim). E, me parece, ser menos equivocado chamar produção cultural todas as manifestações artísticas realizadas a partir da década de setenta, a geração "Pós-69". Talvez a mídia de informação mais freqüente para os produtores culturais tenha sido exatamente o jornal "O Pasquim", com uma linguagem jornalística própria e que tinha como finalidade servir de uma trincheira de resistência. Em relação especificamente à poesia brasileira de expressão piauiense, eu peguei como referência para a rotulação da geração um fato estético e literário: a materialização de um livro do Hindemburgo Dobal Teixeira, "O Dia Sem Presságio". É um livro de 69, ganhou inclusive um prêmio nacional, foi editado no ano seguinte, em 1970. Nele, a gente vê o trabalho do poeta para a concepção de uma poesia com rigor estético e uma preocupação com a renovação das formas poéticas.

 

“ANTES DELA (A GERAÇÃO PÓS-69) NÃO EXISTIAM NO PIAUÍ CARTUNISTAS, CHARGISTAS E QUADRINISTAS”

 

EPS - Como você analisa a produção literária da "Geração pós-69", em termos estéticos?

PM - Da maior expressividade. Não reconhecida, ainda, pelos centros acadêmicos e pelas instituições, mas com vitória, com êxito, em vários campos da manifestação artística. Inclusive, no caso específico do Piauí, com o surgimento dos primeiros chargistas, dos primeiros quadrinistas, na esfera cultural do Piauí, que são todos pertencentes a esta geração. Antes dela não existiam no Piauí cartunistas, chargistas e quadrinistas.

EPS - E a produção literária dessa geração, Paulo, ela resiste ao tempo, ela se mantém, na tua concepção, na tua ótica?

PM - Sim. Há obras produzidas por integrantes da geração que são, indiscutivelmente, referenciais estéticos para o processo cultural piauiense. A divulgação tem sido feita, inclusive, de uma forma conseqüente, porque desatrelados dos órgãos públicos responsáveis pela elaboração e execução da política cultural.

EPS - Esclareça-nos, Paulo, o projeto Pulsar de cultura.

PM - Na verdade, não se trata de um movimento, como algumas pessoas andaram, erradamente, rotulando. A revista "Pulsar" é um veículo de divulgação do ideário da geração. As pessoas que estão produzindo a revista, deliberadamente, iniciaram as atividades em um núcleo de produção cultural, onde não se faz apenas a edição de livros, mas há pessoas trabalhando com outras manifestações artísticas: teatro, cinema, as artes plásticas, as artes gráficas e a literatura. Essas pessoas têm buscado dar seqüência à divulgação de suas idéias com mídias alternativas, e uma delas é um foro da internet - há um sitio na internet dedicado à Geração "Pós-69".

 

“RUPTURA ESTÉTICA PRINCIPALMENTE EM RELAÇÃO À FORMA”
 


EPS - Paulo, qual a ruptura, dentro do projeto estético, literário, existencial, em relação às gerações que a anteciparam, em termos de produção literária piauiense?

PM – Ruptura estética principalmente em relação à forma. Na literatura brasileira de expressão piauiense a concepção de um novo conto, de uma nova novela e de um novo fazer poético, onde não há mais a presença das formas fixas e tradicionais de expressão da literatura.

EPS – Como você vê a inclusão do livro “Tá pronto, seu lobo?” no vestibular da UFPI? Em que isso contribui para a divulgação da tua obra e para compreensão do teu trabalho?

PM – Eu vejo como um enfoque circunstancial e de caráter transitório. No ano de 2002, aparentemente houve uma maior atenção, por parte de algumas instituições e por um conjunto de leitores para o livro, pelo fato de ele ter sido incluído na relação de livros que provavelmente possam ser explorados pelos elaboradores das provas de Comunicação da Universidade Federal do Piauí. Mas, em termos de realização, eu não tenho nenhuma esperança, nenhuma ilusão de que possa ter contribuído para uma melhor compreensão do que já foi escrito. O livro, na verdade, ele tem quase um quarto de século de existência, ele foi tornado público em janeiro de 1978, mas os 22 poemas que o compõem foram produzidos no interstício de tempo de 74 a 77. E neste lapso de 24 anos, a contar da primeira edição, eu acho que ele foi muito pouco lido, pouquíssimas pessoas refletiram sobre os textos. Na verdade ele permaneceu durante todo esse considerável lapso de tempo com uma única edição – a segunda edição veio acontecer agora, em 2002. E eu tenho tentado acompanhar, na medida do possível, a vendagem dos exemplares, e você constata que ela é muito pouco expressiva. Foram editados dois mil exemplares; desses, 100 foram entregues a mim, para que eu desse a destinação que achasse mais condizente, e os outros 1.900 foram postos à disposição dos prováveis leitores. Se nós considerarmos que são cerca de 20.000 vestibulandos (aproximadamente), para que a edição fosse esgotada bastaria que dez por cento dessas pessoas se dispusessem a adquirir o livro, o que infelizmente não aconteceu.

EPS – Paulo, diga o que você gostaria de dizer para o leitor da tua obra, para as pessoas que têm acompanhado teu trabalho literário, que têm acompanhado a tua ação como cidadão, como intelectual, como pessoa.

PM – Bom, o conjunto de 22 poemas que foram rotulados de “Tá pronto, seu lobo?” e editados em 1978, é uma mostra de que eu, como escritor, de uma forma honesta, assumi o compromisso de realizar. Ficaria satisfeito se eu tivesse um maior número de leitores. Eu acho que nenhuma pessoa que escreve se contenta com o fato de escrever e, posteriormente, ser editado, sem que haja o retorno com a leitura, mas também não acho que haja nada de anormal nisso, não... Um envolvimento de cerca de 30 anos de trabalho literário (eu iniciei a escrever, conscientemente, com o propósito de fazer literatura, em 72), eu acho que até é um tempo muito pequeno – três décadas dizem muito pouco. Pode ser que os poemas permaneçam e sejam, no futuro, mais lidos e compreendidos.

 

“NA VERDADE, ESSA REESCRITURA É UMA CARACTERÍSTICA QUE EU TENHO E GOSTO DE EXERCER, DE QUE O TEXTO SEJA CONTINUAMENTE REESCRITO”


 
EPS – Eles foram reescritos, não é, Paulo?

PM – Foram reescritos, mas sem que a proposta primeira tenha sido modificada ou comprometida. Na verdade, essa reescritura é uma característica que eu tenho e gosto de exercer, de que o texto seja continuamente reescrito. Isso tem acontecido sempre.

EPS – Recentemente, Paulo, o crítico e poeta Chico Castro lançou “As travessuras do mamulengo”, que é um ensaio sobre o livro “Tá pronto, seu lobo?”; qual a visão que você tem deste ensaio e em que ele contribui para melhorar o entendimento, a compreensão da tua proposta literária?

PM – Eu compreendo que o ensaio feito pelo Chico Castro fornece algumas pistas de leitura, que podem ser aproveitadas por qualquer leitor, não somente os que estejam circunstancialmente comprometidos com a realização do vestibular na Federal, agora em 2003. Há, também, um ganho, no sentido de que pode acontecer que o livro do Chico, de alguma maneira, atraia a atenção dos prováveis leitores para o conhecimento da própria obra “Tá pronto, seu lobo?”. Pelo que me parece, também, oportuno dizer é que o Chico Castro é um integrante da “Geração pós-69”, então seria uma reflexão feita por um integrante da Geração sobre uma obra poética produzida por outro integrante, que pertence à mesma geração. Essa é uma das coisas importantes.

 


P O E M A S



p o s t   card   5 7 / 7 7
                                  à memória do artista plástico fernando costa


na praça marechal deodoro
às nove horas falavam
da udn e do american-can
 
na praça marechal deodoro
às nove horas há velhos com suas memórias
recompondo o tempo
 
um louco jaime fazia ponto no cruzamento
da barroso com a senador pacheco sem saber
que existia a guerra fria
 
no cruzamento da barroso com a senador pacheco
há um sinal que não raro
encrenca desafiando a rotina
 
quinta-feira era dia de matar o tempo
na praça pedro segundo enquanto os sapos
copulavam nos lajedos do tanque
 
quinta-feira é um dia qualquer
e na praça pedro segundo a mudança notável
é a da posição da estátua que parece sorrir
 
nas tertúlias do clube dos diários
uma geração embarcava no marasmo
esquecendo tudo mais
 
não há tertúlias no clube dos diários
as baratas medrosas saem das bocas-de-lobo
admiram os caixotes de cerveja empilhados e fogem
 
nos canteiros da avenida frei serafim
os cupins construíam suas casas
fiando estranha quietude
 
nos canteiros da avenida frei serafim
putas acenam com gestos medidos
a fome é mais forte que o medo
 
no bar carnaúba o sol roía o marrom
das tabículas das mesinhas
e os homens de casimira cinza faziam planos
 
não há bar carnaúba mas os homens
de casimira cinza continuam fazendo planos
cogitando não aceitando irreverências
 
na paissandu os bêbados
pregavam a subversão
e um bolero esquentava as entranhas da noite
 
a paissandu agoniza
os bêbados já não falam tanto
e a frieza da noite venceu o calor dos boleros
 
nas calçadas da simplício mendes
um rosto magro madalena deixava brotar
estranhamente um sorriso largo de espera
 
madalena morreu de câncer
e nas calçadas da simplício mendes
nada há que lembre sua presença
 
no mercado central pretas carnudas
vendiam frito de tripa de porco
fígado picado e caninha
 
no mercado central negrinhos descarnados
catam laranjas e limões podres
em plena manhã de maio
 
no cais do parnaíba piabas prata
saltavam das águas barrentas
como no sonho dos meninos
 
o parnaíba continua lavando as almas pagãs
dos meninos fujões
roendo as pedras do cais com a mesma fúria
 


a r q u i v o
                                                ao contista m. de moura filho

adão andou nas mãos dos paisanos
e foi encontrado na praça da liberdade
como um mamulengo esquecido detrás do palco:
olhos abertos, boca cerrada, músculos petrificados,
sangue coagulado nas narinas.

adão virou manchete
na pose três por quatro
na última página de o dia

hoje, é um número qualquer
arquivado
à espera dos cupins.



r e l a t ó r i o
                                    à poetisa graça vilhena

meu avô, republicano convicto
guardou, com indisfarçável orgulho,
a carta patente, em que o presidente
da república dos estados unidos do brasil,
por decreto de 19 de maio de 1910,
nomeava-o capitão assistente da 25ª brigada
de infantaria da guarda nacional,
da comarca de piracuruca,
estado do piauí.

meu avô não gozou das honras e direitos
inerentes ao posto, apesar de ter prestado
a solene promessa
de bem servir à pátria.
a carta patente, com o selo
das armas da república,
serviu de pasto aos cupins,
desde que meu avô deu para repetir:
- essa república vai mal, meu filho, muito mal...



b á r b a r a
                                                  à poetisa carmen gonzalez

bárbara
porto seguro onde os homens freqüentam
assiduamente como o mar famintos

bárbara
casto silêncio velando
os olhos insones dos desvalidos

bárbara
ruela torta onde os bêbados líricos
apregoam insubmissão



p o é t i c a
                                                  ao poeta salgado maranhão

fica o ranço das metáforas,
o outono na velha aquarela.
no porto, a lembrança das velas.

fica o silêncio, o esboço do poema,
os músculos rijos à espera do agora.
fica a certeza de caminhar
em linha reta,
não fugir nunca.
remar contra a corrente, lutar
sem temer os golpes sujos dos que rastejam,
cães roendo os ossos da omissão.
fica a ânsia, o sangue queimando nas veias
até o último momento.

fica um princípio:
não temos o direito de trair a poesia,
crucificá-la numa sexta-feira de passivismo.
jamais expô-la como símbolo
de uma vanguarda precoce, medrosa.
a poesia é torpedo-suicida,
não podemos camuflá-la de bailarina persa.
a escuridão dos calabouços,
as câmaras de tortura,
nada fará calar os poetas.

a poesia sobreviverá às bombas de gás, ao tédio.
ressurgirá das cinzas no vôo dos pássaros.
(à tardinha os homens imitam os pássaros, ingenuamente)

sonhemos: com o verde da tardia esperança,
o branco da paz inaudita.



f r a g m e n t o
                                             ao artista plástico gabriel archanjo

uma rua torta que se prolonga
à névoa da infância perdida.
pés descalços, camisa aberta ao vento,
cacos de vidro na carne.
as torres da igreja do amparo,
imponentes, dialogavam em monossílabos
e o céu era azul, simplesmente.
as mocinhas namoricavam, tímidas,
desconheciam a pílula.
na calçada, um bêbado, ar de galhofa,
sonhava com o tudo proibido
os urubus no telhado eram parte do domingo,
como o tédio ou o nada fazer.
negra tomásia contava histórias da carochinha,
o sono galopava num potro branco.




p o s t u l a d o
                                        ao poeta william melo soares

fazer poemas é fácil
como amordaçar um lobo
Elias Paz e Silva
Enviado por Elias Paz e Silva em 16/09/2007
Código do texto: T655567
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Elias Paz e Silva
Teresina - Piauí - Brasil, 53 anos
491 textos (6901 leituras)
7 áudios (283 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 06:16)
Elias Paz e Silva