Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As duas Marias

Não sei bem por que hoje eu decidi olhar o álbum de retratos que meu pai montou para mim, na minha primeira infância. O hobby dele era a fotografia e ele fotografava tudo, gostava de registrar os acontecimentos e fazia isso com poesia. Atrás de cada fotografia ele registrava o acontecimento e mencionava o nome de cada pessoa que aparecia na imagem, bem como o local aonde se deu o evento.

Meu pai era uma pessoa especial, Amarílio era o seu nome. Foi de certa forma a minha herança artística. Era escritor por excelência, desenhava como poucas vezes eu vi alguém desenhar e era dono de uma emoção ímpar. Meu pai tinha um senso de justiça e de ética profundo. Nada para ele passava em branco e tudo tinha o seu comentário, sempre feito de uma forma consciente, filosófica e prática. Imagine uma pessoa culta. Ele era um homem culto e tinha um profundo conhecimento sobre a filosofia, física, química, matemática. Versava o meu pai amado ainda sobre história, conhecia a geografia do mundo e tinha no dicionário um companheiro inseparável. Nada ficava barato quando ele estava por perto, tudo tinha uma hora a mais de prosa. E eu amei aquele homem, com o ardor de um anjo que adora o seu criador.

Mas como eu dizia, fui olhar o álbum de retrato que ele montou para mim e me deparei com a foto de duas criaturas que eu amei também intensamente. Ainda jovens numa foto meio passada pelo tempo, estava registrada a imagem de duas Marias conversando. As duas eram amigas inseparáveis e sempre que elas estavam juntas nós éramos testemunhas de um carinho especial. Uma era Sonnhilde Maria, minha mãe de saudosa lembrança e a outra era Maria simplesmente, minha tia querida que Deus abençoou com o seu poder, lhe dando uma sapiência ímpar e uma consciência exemplar.

Estas duas mulheres me ensinaram de formas diferentes a amar e respeitar as pessoas. Com minha mãe eu aprendi que nada no mundo é mais importante do que amar as pessoas de forma desinteressada e a minha tia me ensinou a respeitar as pessoas, a ter sensibilidade no trato com o ser humano e saber me comportar corretamente em todos os lugares aonde ia.

Eram duas mulheres bonitas, tanto por dentro como por fora. Eram duas mulheres vividas e que sabiam tirar da vida as lições que a vida tinha para lhes dar. São duas lembranças queridas que eu guardo com carinho e ternura dentro do meu coração.


Rick Steindorfer
Enviado por Rick Steindorfer em 02/10/2006
Reeditado em 22/06/2011
Código do texto: T254904
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Rick Steindorfer). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rick Steindorfer
Águas de São Pedro - São Paulo - Brasil
3533 textos (516043 leituras)
33 áudios (94901 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:35)
Rick Steindorfer