Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SOM DO BARZINHO


Sempre digo que sou notívaga, para não dizer que sou boêmia. Infelizmente, porém, não posso me dar ao luxo de levar a vida assim. Existem outros afazeres que não me permitem estar sempre na noite.
A noite, para mim, é algo mágico onde todos que se encontram tem por objetivo a diversão, a descontração, o afago no âmago, enfim, todos sentem-se um pouco livres e sedentos da energia balsâmica da lua que embala e do sereno que molha nossa corpo e nos remete ao encontro de nós mesmos.
Para muitos isso pode parecer tolice, já que o mais importante para essas pessoas são os raios solares, a luz da manhã, o vibrar das máquinas de furar da casa ao lado; As ruas são encobertas pelo pó dos passantes, dos vendedores ambulantes, de gente correndo para o Banco, para buscar o exame, para trabalhar, para a academia, para a fisioterapia e UFA! para ganharem o precioso pão de cada-dia.
Mas ao cair da tarde, mais descontraídos, a maioria segue seu destino para casa, para ver a novela, para ler o jornal que não deu tempo de ser lido durante o dia... tem ainda o futebol (para quem gosta, é claro) e os sonhos que chegam em nossas mentes e ocupam lugar. O único problema é como alcançar a realização de todos eles, desses sonhos que temos acordados e que nos acompanham desde a tenra infância. Bem, mas eu comecei com o titulo SOM DO BARZINH,  artistas da noite que, com seu violão, "recantam" canções e colocam seu estilo tão próprio em cada um delas. Mas que palavra é essa: RECANTAR? Ah, recantar, no meu dicionário, significa interpretar novamente canções que não nos pertencem, não foram feitas para nós, mas recantamos porque reinventamos a interpretação das mesmas com um jeito só nosso.
Então é assim, fica aqui minha saudação e minha homenagem, pois, além de excelentes artistas, dewscnhecidos pela mídia, são solidários, mansos, educados, finos e enxergam através do coração.
Muitas pessoas são ajudadas por eles, principamnente inspiradas por eles. Sinto no rosto de cada pessoa, sentada no bar que ele toca, a alegria de estar ali e, bem mais do que isso, da alegria de poder subir ao palco e de cantar juntamente com o cantor(a) que, gentilmente, se cala, toca seu violão e acompanha,  humildemente, seu convidado(a), dando oportunidades mil para essas pessoas mostrarem seu talento.
Fica também uns versinhos, tímidos, talvez, mas feitos com o coração de quem, de longe, sente carinho e muita admiração por todos os cantores da noite que, como eu já fiz um dia, vagam na imensidão do tempo, mas deixam suas marcas no coração daqueles que buscam companhia, divertimento e alegria.

Noite mágica...

Noite mágica, traz a tona seus deuses
Enfatiza a boemia airada, que vaga de madrugada
Cria versos, entoa canções, recita poesias
Mas deixa seu rastro nos muros, nas calçadas...

Vista-se do ócio e vá buscar companhia
Nada de importante, a mesa pode estar vazia
Ou reúna-se num grupo, crie emoções notórias
Faça pilhérias que ficarão na história.

Batuque na caixa de fósforo, invente canções
Sorria, ainda há transeuntes na rua
Embalde, olhe as estrelas do firmamento
São as princesas do céu, filhas do sol e da lua

Que nos visitam em vagos momentos
Que, absortos, trilhamos nossos caminhos
Ouço as canções, vejo gente bonita e feliz
Brilhando inocente cantando, a noite, ao Som do Barzinho.

MEG KLOPPER
Enviado por MEG KLOPPER em 14/10/2006
Reeditado em 16/10/2006
Código do texto: T263946

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
MEG KLOPPER
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
311 textos (917110 leituras)
38 áudios (68634 audições)
3 e-livros (3129 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:13)
MEG KLOPPER

Site do Escritor