Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DES-CONHECIMENTOS

DES-Conhecimentos Gramaticais

Um candidato a vereador chegou a dizer com relação ao seu apoio à candidatura a deputado de alguém de outro Partido, algo engraçadíssimo.  Como havia vinculação de votos, seria impossível um candidato de um partido ajudar ou dar votos a candidato de outro partido, o que hoje seria normal, de acordo com a legislação eleitoral vigente. Conversa vai, conversa vem, e o Santo saiu-se com esta:
- É, amigo, pessoa física eu estou com você, agora, no partido, eu sou gramatical...
Considerando os parcos conhecimentos gramaticais do Santo, fiquei a matutar sobre o que ele quisera dizer. E conclui que a sua intenção era dizer que se não fossem as regras ou o regulamento do partido ele votaria no tal candidato...

Uma figura muito conhecida em Conquista, insiste em nominar de sub-analfabeto aquele que é semi-alfabetizado. Esta figura concluiu o bacharelato em Teófilo Otoni...

Existem outros que mal sabem assinar o nome e arvoram-se de escritores, poetas e até filósofos. Há, até, alguns que nada escreveram, mas ajudaram a compilar casos e historietas gravadas em fita Kassete, que, depois de arrumadas por um revisor anônimo, pago para tal, acabaram em livros, cujos autores não seriam capazes de escrever uma carta.
O pior: o “revisor” ouvia várias reclamações dos “autores” alegando que o texto havia sido modificado.
- Ora, dizia-lhes a vítima,  o texto foi refeito pois o original, além de centenas de erros em cada lauda ainda por cima apresentava-se sem sentido, tornando impossível a sua compreensão.

ALGUMAS PÉROLAS

- Preciso de um adjutoro (ajuda).
- Mandei adossar o checo (endossar o cheque).
-       Isso é uma michilana (miscelânea).
- Vou tomar um empresto (empréstimo) pra pagar o Fiete (Fiat). O restanto (restante) vou pagar com checo luminal pesdatado (cheque nominal predatado) se não der certo vendo o carre (carro).
- Se fulana demorar boto na rádia (rádio).

Pobre língua portuguesa. Tão desrespeitada quanto dificil. É a língua burra, falada e vilipendiada pelo zoológico humano mais engraçado do planeta. Deste planeta dos homens, onde a língua portuguesa e seus dialetos são feridos de morte a cada conversa de botequim ou nos mexericos das praças, cada vez mais cheias de humor quanto vazias de responsabilidade e amor próprio...

Além destas preciosidades dessa plêiade, junte-se:
De um prefeito da região:
- Oh, meu amigo, eu assustei o cheque pois esqueci a quem tinha dado.

De um radialista conquistense, quando da inauguração da agência do Banco Económico, dirigindo-se ao seu presidente:
- Sr. presidente, o que tem a dizer aos nossos ouvintes sobre a inauguração festiva deste grande elefante branco?

No Rio, existe um desses faladores inveterados que sempre dizia barbaridades...
 - Acabei de comprar um carro convertido (conversível) com rádio de alta finalidade (fidelidade).

- A decomposição daquele prédio e a falta de imbulança são as maiores dificulidades do Patagonha (político querendo dizer da depredação do prédio público e a falta de ambulância no bairro da Patagônia).

As cidades emunicipadas agora (emancipadas) sofrem muitas dificulidades... (dificuldades).

A situação tá pecuária (está precária).
Ricardo De Benedictis
Enviado por Ricardo De Benedictis em 01/08/2005
Código do texto: T39436

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo De Benedictis
Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, 77 anos
1214 textos (272375 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:19)
Ricardo De Benedictis