Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Xampu "Pebá"

Meus amigos, acham que a vida de uma coroa solitária é fácil?! Não é não!

Depois que meu marido me trocou por uma de trinta, eu resolvi ser resolvida... Não prestou: veio a solidão e pau! 

O que quero dizer é que a gente vai ficando meio que deprimida e procura um companheiro que nos proporcione, ao menos, alguns momentos inesquecíveis na vida. Assim é Josualdo: gordinho; odeia exercícios; come que nem um frade velho; não gosta de cinemas, teatros e tudo que o fizer largar o controle remoto da televisão. Mas ele me beija quando eu acordo. E, olhem, beijar quando a gente acorda é dose!

Jô é tímido. Gosta de resmungar baixinho e tem um danado. Quando estamos juntos até que é legal. Ele ri sem querer das minhas loucuras, mas logo se recompõe e começa a me criticar, para fazer tipo.

Eu já falei para ele: "O último que me oprimiu está morto – morto de satisfação, ao lado de uma deusa...".  Mas meu namorado coroa é muito companheiro. Desde que eu não saia por aí com meu personal-trainer, tudo bem...

A gente perde os hábitos dos jovens e nossos sábados ficam monótonos. Daí, eu faço as unhas, ele vê a novela, depois Zorra Total, depois o filme e depois Serginho Groisman, enquanto eu me contorço como um Yogi, tentando lixar meus calos dos pés.

Dia desses, eu percebi que ele tentava tirar um cabelo de dentro do ouvido. Deitado no sofá, ele pegou uma pinça de tirar sobrancelha, que estava perto, e começou a gritar, como se estivesse se autoflagelando. Fiquei com pena daquela cena dantesca e resolvi dar um trato nele. Subi em cima do idiota e comecei pelos cabelinhos do nariz, com uma tesourinha.
 
Até aí, tudo bem:

- "Arreganha a asa do nariz, Josualdo!".

- "Que isso, maluca. Cuidado com a ponta da tesoura...".

- "Agora me deixa acabar de tirar os cabelos do ouvido!".

- "Não! Não! Isso é tortura chinesa!".

- "Fica quieto, senão eu enfio a tesoura no seu cérebro!".

- "Não é pra fazer isso com pinça?".

- "A esta hora a pinça deve estar embaixo da sua bunda..."

- "Legal... Uma pinça no meu cú e uma doida por cima de mim com uma tesoura. Podíamos vender a idéia para as casas sadomasoquistas".

- "Pronto. Agora vou aproveitar para cortar seus pêlos pubianos".

- "Meus pentelhos?! Tá maluca!".

- "E do sovaco também!...".

- "Não! Cuidado com esta tesoura, sua tarada!!! Vou ficar parecendo um frango depenado!".

Eu só não entendia como, mesmo cuidando tão bem daquele homem, seus cabelos (da cabeça) andavam tão ressecados a cada dia que passava. Eu pensava se tratar da velhice mesmo: os cabelos vão ficando fracos, caem ou ficam parecendo palha (pelo menos, os do Jô).

Bem, claro que aquela posição lá no sofá fez alguma coisa se manifestar no meu namorado e nós corremos pra cama antes que a coisa desse pra trás. Lógico que ele, como todo bom chato, foi tomar banho, pentear os cabelos, escovar os dentes, passar desodorante. E eu acabei de ver Serginho Groisman...

Depois veio ele todo cheiroso, mais do que de costume. A princípio, pensei que estava se produzindo todinho pra mim, mas ele chegou com uma cara super emburrada, reclamando de alguma coisa por entre os dentes.

Perguntei do que se tratava e o inteligente começou:

- "Xampu peba aquele do banheiro".

- "Mas o que é peba, retardado?".

- "Menô, aquilo é vagabundo, desqualificado, ordinário!"

- "Do que você está falando, meu amado imbecil?".

- "Do xampu que está no box – uma merda".

- "Como?! Eu tenho mil xampus no banheiro - rinses da melhor qualidade, tudo do bom e do melhor!".

- "Peba! Peba! Peba!".

- "Mas que xampu é este?!".

- "Sei lá! Um verde, com cheiro de maracujá, francês. O troço, ainda por cima, não faz espuma. Eu sempre passo aquilo e fico cheio de areia no pescoço. Uma porcaria, cheio de detritos! Peba!".

- "Josualdo! Você tá lavando a cabeça com meu sabonete líquido esfoliante para o corpo! É por isto que seu cabelo está cada vez pior! Aquilo é pra tirar as escamas velhas da pele!".

- "Eu só sei que é PEBA!".

- "Peba é tua visão, ignorante!".

Lógico que depois de uma dessas, não dava pra rolar mais nada. Eu me contorcia de tanto rir, enquanto meu namoradinho passava todos os cremes hidratantes no cabelo que encontrou na penteadeira, e que, claro, não eram para o cabelo...

De manhã acordamos super descansados. Foi uma noite muito bem dormida. Quando me virei para o lado vi uma cabeça em meio a milhares de cabelos arrepiados, enquanto uma boca aberta roncava. Parecia que era dia de Halloween, mas, mesmo assim, eu olhei para aquele meu príncipe adormecido e senti o maior carinho por ele.

O que a gente pode fazer? Nem tudo é penteado perfeito, né?

Beijos da Dona Menô

http://www.clubedadonameno.com

 

 

Leila Marinho Lage
Enviado por Leila Marinho Lage em 11/11/2007
Reeditado em 13/06/2012
Código do texto: T732258

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Leila Marinho Lage
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 59 anos
1086 textos (721390 leituras)
25 áudios (18972 audições)
153 e-livros (57059 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 21:15)
Leila Marinho Lage

Site do Escritor