Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PARALELAS
(Belchior)

Dentro do carro sobre o trevo,
a cem por hora o meu amor
Só tenho agora
os carinhos do motor.
E no escritório onde eu trabalho
sempre complico,
quanto mais eu multiplico
diminuí o meu amor.
Em cada luz de mercúrio
vejo a luz do teu olhar,
passas praças, viadutos.
Nem te lebras de voltar,
de voltar...
de voltar...
No Corcovado
quem abre os braços sou eu.
Copacabana, esta semana, o mar
sou eu.
E as borboletas do que fui
pousam demais
por entre as flores
do asfalto em que tu vais.
E as paralelas dos pneus
na água das ruas,
que são tuas,
estradas nuas
em que foges do que é teu.
No apartamento, oitavo andar,
abro a vidraça, 
e grito quando o carro passa:
teu infinito sou eu!
Sou eu!
Sou eu!
Sou eu!
No Corcovado
quem abre os braços sou eu.
Copacabana, esta semana, o mar
sou eu.
Como é perversa a juventude
do meu coração,
que só entende o que é cruel,
o que é paixão. 
 



Christina Nunes
Enviado por Christina Nunes em 03/11/2006
Reeditado em 03/11/2006
Código do texto: T281488
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Christina Nunes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
569 textos (125859 leituras)
8 e-livros (5720 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:34)
Christina Nunes