Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TECELÃ

____________________

Seleta de Poemas

Seleta de Poemas representa as poesias que li e tocaram-me a alma. Assim, posso compartilhar com vocês as minhas preferências poéticas e homenagear os autores que admiro.

A TECELÃ (fragmentos)

Toca a sereia na fábrica,

e o apito como um chicote

bate na manhã nascente

e bate na tua cama

no sono da madrugada.

Ternuras da áspera lona

pelo corpo adolescente.

É o trabalho que te chama.

Às pressas tomas o banho,

tomas teu café com pão,

tomas teu lugar no bote

no cais do Capibaribe.

Deixas chorando na esteira

teu filho de mãe solteira.

Levas ao lado a marmita,

Contendo a mesma ração

Do meio de todo o dia,

a carne-seca e o feijão. 

De tudo quanto ele pede

Dás só bom-dia ao patrão,

e recomeças a luta

na engrenagem da fiação.

[...]

Teces tecendo a ti mesma

na imensa maquinaria,

como se entrasses inteira

na boca do tear e desses

a cor do rosto e dos olhos

e teu sangue à estamparia.

Os fios dos teus cabelos

entrelaças nesses fios.

[...]

Vestes as moças da tua

idade e dos teus anseios,

mas livres da maldição

do teu salário mensal,

com o desconto compulsório,

com os infalíveis cortes

de uma teórica assistência,

que não chega na doença,

nem chega na tua morte.

Com essa policromia

de fazendas, todo dia,

iluminas os passeios,

brilhas nos corpos alheios.

E essas moças desconhecem

o teu sofrimento têxtil,

teu desespero fabril.

Teces os vestidos, teces

agasalhos e camisas,

os lenços especialmente

para adeus, choro e coriza.

Teces toalhas de mesa

e a tua mesa vazia.

Toca a sereia da fábrica,

e o apito como um chicote

bate neste fim de tarde,

bate no rosto da lua.

Vais de novo para o bote.

Navegam fome e cansaço

nas águas negras do rio.

Há muita gente na rua

parada no meio fio.

Nem liga importância à tua

Blusa rota de operária.

Vestes o Recife, e voltas

para casa, quase nua.

• Mauro Ramos da Mota e Albuquerque (1911 — 1984). Foi jornalista, professor, poeta, cronista, ensaísta e memorialista brasileiro. ®Sérgio.

__________________________________________

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 28/04/2006
Reeditado em 08/08/2013
Código do texto: T146619
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 69 anos
1281 textos (21148875 leituras)
7 e-livros (8544 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:40)
Ricardo Sérgio