Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RAIVA

R – A – I – V – A
Apenas um vocábulo a mais.
O que contém ele,
Além de duas consoantes e três vogais?
Além do azul da tinta?
Além do preto impresso nos jornais?

A pequena palavra transposta
Do plano lingüístico para o ser,
Para as veias, para as mãos,
Explode-se e ai mesma
- voam as consoantes e vogais
E o azul se torna sangue
E o preto, noite.

Turbilhão violento devora vorazmente
Qualquer laivo racional
Arrasta, puxa para o fundo
De um poço descomunal.

Após o mergulho insano
Apalpando quase às cegas os destroços
Flutuando na superfície quase calma
É possível numa nova reviravolta louca
Destruir mais ainda os restos.
Fazê-los serem tragados novamente
Impedi-los a qualquer custo que voltem à tona
Olhos secos.
Sem dor, só RAIVA.
Será ela uma raiva cega,
Permanente,
Presente
De impossível restauração
Sentimento sempre crescente
Definitivo...

Após o mergulho insano
Apalpando quase às cegas os destroços
Flutuando na superfície quase calma
É possível recompor a forma anterior
Esmerando-se nos detalhes
Colocando-a longe de um provável vendaval
Cuidando para que não se perca nunca.
Derrubando uma lágrima de perdão
Sentindo a dor aguda
Ela era raiva de amor
É azul, é dia.
Izabel Martho
Enviado por Izabel Martho em 01/06/2005
Código do texto: T21232

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Izabel Martho
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
22 textos (2712 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:55)
Izabel Martho