Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

    O POETA É, TAMBÉM, ASSIM
Tarcísio R. Costa
 
Violinos ecoam no seus sonhos
Melodias, ouvidas, sonhadas em outros sonhos...
Momentos vividos, que não mais existem, perdidos
Numa seara de um tempo de saudades...
 
Esse amar, agora sem cor, sumiu-se  no passado
E deixou o presente ultrajado... Numa vida
de contradições.
 
Por que sofre o poeta assim?,
Por que ele não se liberta do passado?
Por que ele colore tanto os seus sonhos?
Por que  ele não se liberta da ilusão?
Por que ele tem tanta ansiedade?
É porque o seu coração,
Que vive cheio de saudade.
 
Brasília, 03 de janeiro de 2005
Tarcísio Ribeiro Costa
Tarcísio Ribeiro Costa
Enviado por Tarcísio Ribeiro Costa em 29/09/2007
Código do texto: T674153
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tarcísio Ribeiro Costa
Brasília - Distrito Federal - Brasil
547 textos (37073 leituras)
14 e-livros (613 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 20:08)
Tarcísio Ribeiro Costa