Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUEM SOU EU?  - HOMENAGEM AOS POETAS


Alguém que ama, que chora, sofre e ri
Que adora liberdade, odeia impunidade
Acredita no ser humano, corre da maldade
Da infância distante, sente saudade.

Adora poesia, detesta água fria...
Gosta de música, arte, cinema, teatro
Da madrugada, da noite, da boemia
Da conversa de bar, não existe melhor lugar.

Que escreve, se esforça e se lança
Naquilo que aumenta o prazer de amar.
Nem sempre o que faz é firme, balança
Mas caminha sozinha no mundo a sonhar.

Sou quem ama Carlos Drumond que tinha
uma pedra no caminho;
Que se encanta com o Guma do Jorge Amado e
o amor da Zélia.
Chora com as canções do Gonzaguinha,
de se perder, de se achar...
E com a mulher rendeira do Gonzagão que ele ensina a namorar.

E em certos dias quando penso em minha gente, trago o Vinicius na mente, e sinto assim todo meu peito se apertar...
Pasmo com a poesia da Florbella Espanca
que lê
no misterioso livro do teu ser, a mesma história tantas vezes lida.

Amo Cora Coralina, que fazia
poemas de amor
tão meigos, tão ternos, tão teus... Não sei... se a vida é curta...
Sou o Enigma de Clarice Lispector quando penso
Que "
tenho várias caras. Uma é quase bonita,
Outra é quase feia. Sou um o quê?
Acho que um quase tudo, talvez.

Ando no rastro dos poetas, porém descalça
Quero sentir as sensações que deixaram por aí.

Canto as canções do Jobim e vejo o Corcovado,
o Cristo Redentor,
a garota de Ipanema...
Como João Bosco e Aldir Blanc, procuro Henfil num rabo de foguete...
Vejo um bêbado com chapeu-côco que me lembra o Carlitos.

Meu coração bate outra vez com a esperança do Cartola
E volto aos jardins para me queixar com as rosas
Fico em silêncio porque
as rosas não falam,
exalam, simplesmente,
o perfume que roubam de ti...

Do Mário Quintana, meu amado, existe um
"Bilhete"
Pedindo que
deixe em paz os passarinhos
Porque, se me quiseres, não gritará nos telhados
Me amará em paz, devagarinho, baixinho,
porque
a vida é breve...vocês passarão e eu passarinho.

Enquanto isso, gritas em meus ouvidos e nada dizes
Deixa de me amar e faz meus dias passarem tristes
Entoa cobranças, me tira a esperança
Faz a vida mais do que breve, faz a vida vazia.

E Como Cecília Meireles, eu sou.
Em seu poema "Motivo da Rosa" ela ainda não sabe quem é, e diz assim:
" Se eu nem sei quem sou,
como posso esperar que venha alguém gostar de mim?"
MEG KLOPPER
Enviado por MEG KLOPPER em 06/10/2006
Reeditado em 27/01/2011
Código do texto: T257431

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Áudio
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
MEG KLOPPER
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
311 textos (917141 leituras)
38 áudios (68634 audições)
3 e-livros (3129 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:15)
MEG KLOPPER

Site do Escritor