Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A RENDIÇÃO DO MESTRE - III

Toca a sineta. O mordomo se pasma.
Será que ouviu direito? - Pensa aflito -
Será que, realmente, o Mestre me chama?
Corre, então, pelos degraus da grande e velha escada
E entra, de supetão, no triste e escuro quarto,
Onde se encontra o Mestre, há uma eternidade,
Só, aflito e amargurado.

Este, então, acha graça
Do semblante surpreso do amigo.
_ Venha cá, homem, preciso vestir-me.
Tenho um pressentimento, cá em meu peito:
Suponho que, hoje, por obra divina,
Receberei visita, à tardinha.

A bengala faz ranger o piso envelhecido,
Enquanto os sapatos comparam-se a instrumentos,
Ao tocarem a melodia do andar firme e decidido.
Manda que abra todas as cortinas,
Que enfeite todas as jarras e a escrivaninha,
Senta-se, apreciando o perfume do jardim,
Frente à janela aberta, durante todo o dia!

Avista, então, a caminho e a vagarosos passos,
Ela! Tão linda, tão suave e jovem,
Que, apenas em vê-la revigora-se o Mestre.
Pede, com voz emocionada, ao mordomo:
_ Por favor, traga-me dois cálices de vinho tinto
E abra a porta, meu fiel amigo,
Que a minha amada voltou!

Este, feliz, trata logo de cumprir as ordens
E, ansioso, espera, junto à porta,
Aquela fada que encanta o Mestre.
Ela chega, com um sorriso
E, saudosa, olha dentro do recinto,
Encontrando o Mestre a postos, junto à escrivaninha,
Com dois cálices, às mãos, de vinho tinto.

Aproxima-se devagar... e, olhando-o nos olhos,
Toma, serenamente, um cálice de sua mão
E com a voz mais linda, dentre os passarinhos,
Diz: _ Um brinde a nós dois e à razão!
As taças se tocam de leve, cristalinas...
E, entrelaçando o braço com o do Mestre,
Leva-o a passear pelo jardim.

_ Vim buscar minhas luvas, que esqueci.
_ Sinto muito, mas acho que as perdi...
_ Já supunha isso. Não faz mal, querido!
_ De certo... Porém, seriam mesmo, necessárias?
_ Não... Vamos entrar, querido, acender a lareira
E, também os castiçais de sua biblioteca?

_ Vamos à minha escrivaninha?
_ Sim, já é tempo! Tenho tanto a ditar!
E tu, amado meu, muito a " sentir"!
Entram, portanto, os dois, de braços dados,
Ao som dos pássaros, que inspiram-se com as rosas,
Fazendo, assim, com que a velha mão corra, com a pena,
Banhada na mais rara e valiosa tinta!...


                         
                           FIM
RÚBIA BOURGUIGNON
Enviado por RÚBIA BOURGUIGNON em 22/12/2005
Reeditado em 22/12/2005
Código do texto: T89442
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
RÚBIA BOURGUIGNON
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 55 anos
193 textos (20242 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:51)