Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FIGURAS DE LINGUAGEM
------------------------------------------
SINTÁTICAS OU DE CONSTRUÇÃO
 
Compare estas duas maneiras de construir a mesma frase:
=•> Os homens pararam, com o medo no coração.
=•> Os homens pararam, o medo no coração.
Não será necessária muita percepção para chegar-se a conclusão de que a segunda construção é mais concisa e elegante. E por quê? Porque ela se desvia da norma estritamente gramatical para atingir um fim expressivo ou elegante (estilístico). Foi, justamente, com esse intuito que Jorge Amado a redigiu. A essas construções que se afastam das estruturas regulares ou comuns e que visam transmitir à frase, expressividade ou elegância, dá-se o nome defiguras de sintaxe ou de construção. São elas:
 
I - ANACOLUTO (Grego anakólouthon, desacompanhado.)
Ocorre quando a palavra ou as palavras «são jogadas» no início de uma frase sem ter nenhuma relação com as demais. É como se a construção iniciada fosse bruscamente interrompida, para prosseguir de outra maneira, veja:
Essas empregadas de hoje, não se pode confiar nelas. (Alcântara Machado)
Temos, nesse exemplo, um caso de anacoluto. «Essas empregadas de hoje», é um termo que não se liga sintaticamente à oração, já que não cumpre nenhuma função sintática, embora esclareça em quem não se pode confiar. O anacoluto desempenha função estilística (elegante) quando empregado com o intuito de atribuir ênfase ao texto. Acompanhe:
=•> E o desgraçado, tremiam-lhe as pernas, sufocando a tosse.
=•> Eu, que cair não pude neste engano.
=•> Poesia, ninguém gosta de choradeiras poéticas, ora!
 
II - ANÁFORA (Grego anaphorá = repetição)
Também chamada de epanáfora, consiste na repetição de uma ou mais palavrasno princípio de cada um dos membros da oração ou período:
=•> Grande no pensamento, grande na ação, grande na glória, grande no infortúnio, ele morreu desconhecido e só. (Rocha Lima)
Ou a repetição no princípio dos sucessivos seguimentos de versos. Observe a anáfora, nos versos de Manuel Bandeira:
Vi uma estrela tão alta, / Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo / Na minha vida vazia.
Era uma estrela tão alta! / Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha / Luzindo no fim do dia.
A Epístrofe é a repetição de uma ou mais palavras [no fim]de cada um dos membros da frase:
=•> Gastos largos, esperanças do mundo largas, variedades largas, consciências largas, com apertos e estreitezas se hão de castigar.
A anáfora e a epístrofe eram particularmente queridas do poeta Frederico Augusto, um dos traços mais característicos de seus poemas.
 
III - ASSÍNDETO
É a falta de conjunção entre os elementos coordenados, ou seja, é a eliminação do conetivo. O emprego adequado desta figura comunica ao estilo brevidade e rapidez, cria um efeito de nivelamento:
=•> Espero sejas feliz. (= Espero que sejas feliz.)
=•> Veio à cidade, falou com o gerente, partiu. (e partiu.)
=•> Chegou, viu; gostou, pediu; bebeu, cuspiu; pagou, saiu; tropeçou, caiu; levantou e sumiu. [eliminação do e]
Já o Polissíndeto é a repetição expressiva da conjunção coordenativa. Observe:
=•> Vão chegando as burguesinhas pobres e as crianças das burguesinhas ricas,e as mulheres do povo, e as lavadeiras da redondeza.
=•> Trabalha, e teima, e sofre, e lima, e sua! (Olavo Bilac)
 
IV – ELIPSE
É a omissão de um termo ou de uma oração inteira, que facilmente se pode subentender no contexto. É uma espécie de economia de palavras. São comuns as elipses dos pronomes sujeitos, dos verbos e de palavras de ligação (preposições e conjunções). A elipse das conjunções e preposições assegura à frase concisão, leveza e desenvoltura:
=•> Oxalá tenha razão. [elipse da conjunção "que"]
=•> E espero tenha sido a última. [elipse da conjunção "que"]
=•> De mau corvo, mau ovo. [omissão do verbo vir = vem]
=•> João estava com pressa. Preferiu não entrar. [do sujeito ele]
• De belo efeito é a elipse nestes versos de Manuel Bandeira:
Nossa! A poesia morrendo... / O Sol tão claro lá fora.
O sol tão claro, Esmeralda, / E em minha alma – anoitecendo!
Neles temos a elipse do sujeito Senhora em: Nossa [senhora]!
Há várias elipses do verbo estar: O sol [está] - [está] anoitecendo.
Pode ocorrer a elipse total ou parcial de uma oração:
=•> Eu já tinha visto aquela moça, mas não sabia onde. [isto é: mas não sabia onde a tinha visto.]
 
V - HIPÉRBATO (Grego hiperbaton, que ultrapassa, revirado)
O Hipérbato se caracteriza pela «inversão»da ordem natural das palavras na oração, ou da ordem das orações no período. Empregado deliberadamente o hipérbato consiste num recurso lingüístico que visa a preservar ou sugerir a harmonia e a beleza da forma. Usado indevidamente pode gerar ambigüidade ou obscurecimento de sentido, em vez da harmonia e beleza desejadas.
Camões em Os Lusíadas, cVI, est.64 fez o seguinte hipérbato:
O coração no peito que estremece
De quem os olha, se alvoroça e teme.
Embora pareça, à primeira vista, referir-se a oração [que estremece] a peito, na verdade, prende-se a coração. O sentido é esse:
O coração, que estremece no peito
De quem os olha, se alvoroça e treme.
Estas são de Carlos Drummond:
=•> Passeiam, à tarde, as belas na Avenida.(As belas passeiam na Av. ...)
=•> Passarinho, desisti de ter. (Rubens Braga)
 
VI - ZEUGMA
É a omissão de um termo anteriormente expresso:
=•> vibraram os risos, as impaciências.
Na segunda oração houve a omissão do verbo vibrar, que está oculto, mas pode ser subentendido.
Em geral, nos zeugmas, o termo que sofreu omissão, é uma forma flexionada de um termo que já apareceu. Observe:
=•> “Nem ele entende a nós, nem nós (entendemos) a ele.”(Camões)
Na segunda oração está oculto o verbo entender, porém flexionado, na forma de entendemos.
________________________________
Ajudaram na elaboração deste glossário:
Helio Seixas Guimarães, Ana Cecília Lessa - Figuras de Linguagem –– Atual Editora
Rocha Lima – Gramática Normativa da Língua Portuguesa – José Olympio.
Graça Paulino – Literatura Participação & Prazer – Ed. FTD.
Assis Brasil – Vocabulário Técnico de Literatura - Edições de ouro.
Se você encontrar erros (inclusive de português), por favor, me informe.
Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário.
Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 12/08/2006
Reeditado em 26/09/2008
Código do texto: T214531

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (15203732 leituras)
7 e-livros (6341 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/11/14 01:31)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética