Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONCEITOS DE ESCRITORES SOBRE O CONTO

_______________________________________________________________

Estudos Literários

 

Edgar Allan Poe (1809 – 1849), o primeiro teórico do gênero:

“Temos necessidade de uma literatura curta, concentrada, penetrante, concisa, ao invés de extensa, verbosa, pormenorizada... É um sinal dos tempos... A indicação de uma época na qual o homem é forçado a escolher o curto, o condensado, o resumido, em lugar do volumoso”.

Mário de Andrade (1893-1945), em Contos e Contistas (1938):

 “[...] em verdade, sempre será conto aquilo que seu autor batizou com o nome de conto...".

Alfredo Bosi, História Concisa da Literatura Brasileira:

"O conto cumpre a seu modo o destino da ficção contemporânea. Posto entre as exigências da narração realista, os apelos da fantasia e as seduções do jogo verbal, ele tem assumido formas de surpreendente variedade. Ora é quase-documento folclórico, ora quase-crônica da vida urbana, ora quase-drama do cotidiano burguês, ora quase-poema do imaginário às voltas, ora, enfim, grafia brilhante e preciosa voltada às festas da linguagem."

Em seu livro O Conto Brasileiro Contemporâneo sobre o caráter múltiplo do conto:

"[...] já desnorteou mais de um teórico da literatura ansioso por encaixar a forma- no interior de um quadro fixo de gênero. Na verdade, se comparada à novela e ao romance, a narrativa curta condensa e potencia no seu espaço todas as possibilidades da ficção."

Afrânio Coutinho:

"O contista oferece uma amostra através de um episódio, um flagrante, ou um instantâneo, um momento singular e representativo."

Massaud Moisés, O Conto; em A Criação Literária:

"[...] o conto vem sendo praticado por uma legião cada vez maior de ficcionistas, que nele encontram a forma adequada para exprimir a rapidez com que tudo se altera no mundo moderno."

"[...] o conto é, do prisma de sua história e de sua essência, a matriz da novela e do romance, mais isso não significa que deva poder, necessariamente, transformar-se neles. Como a novela e o romance, é irreversível: jamais deixa de ser conto a narrativa como tal se engendra, e a ele não pode ser reduzido nenhum romance ou novela."

Moacyr Scliar (1937), um dos escritores mais representativos da literatura brasileira contemporânea, numa entrevista concedida ao jornal Folha de São Paulo, em quatro de fevereiro de 1996:

“Eu valorizo mais o conto como forma literária. Em termos de criação, o conto exige muito mais do que o romance... Eu me lembro de vários romances em que pulei pedaços, trechos muito chatos. Já o conto não tem meio termo, ou é bom ou é ruim. É um desafio fantástico. As limitações do conto estão associadas ao fato de ser um gênero curto, que as pessoas ligam a uma idéia de facilidade; é por isso que todo escritor começa contista”.

Wolfgang Kaiser escritor alemão e importante teórico da literatura:

"O conto indica que pode ser lido ou ouvido ‘numa sentada’, e isso transparece, mais ou menos, através de todos os contos. Reside nisso, pois, necessariamente, o reduzido do tamanho e a sua limitação, em comparação com a amplitude do romance." [...] (Wolfgang KAYSER, Análise e Interpretação da OBRA literária. Trad. Paulo Quintela. Coimbra: Sucessor, 1968. Vol. II )

Nádia Battella Gotlib, autora de Teoria do Conto (1985):

“A linha normativa gera uma série de manuais que prescrevem como escrever contos. E a revista popular propícia uma comercialização gradativa do gênero. Tais fatos são tidos como responsáveis pela degradação técnica e pela formação de estereótipos de contos que, na era industrializada do capitalismo americano, passa a ser arte padronizada, impessoal, uniformizada, de produção veloz e barata. Tais preocupações provocam, por sua vez, um movimento de diferenciação entre o conto comercial e o conto literário. Daí talvez tenha surgido o preconceito contra o conto...".

Esteban Antônio Skármeta Branicic (1940), escritor chileno, em Assim se Escreve um Conto:

“Eu diria que o que opera no conto desde o começo é a noção de fim. Tudo chama, tudo convoca a um final”.

Ricardo Piglia (1940), escritor argentino, em O Laboratório do Escritor:

“Pode-se programar a trama, os personagens, as situações, conhecer o desenlace e o começo, mas o tom em que se vai contar a história é obra de inspiração. Nisso consiste o talento de um narrador”.

Edgard Cavalheiro (1911-1958), na introdução de Maravilhas do Conto Universal:

“A autonomia do conto, seu êxito social, o experimentalismo exercido sobre ele, deram ao gênero grande realce na literatura, destaque esse favorecido pela facilidade de circulação em diferentes órgãos da imprensa periódica. Creio que o sucesso do conto nos últimos tempos (anos 60 e 70) deve ser atribuído, em parte, à expansão da imprensa”.

Gilberto Mendonça Telles, 1931, em A Retórica do Silêncio: Teoria E Prática Do Texto Literário:

"Os primeiros autores de livros de conto não faziam questão de distinguir entre os contos que pertenciam à tradição (e que estavam, portanto, incrustados na língua) e os que pertenciam à sua própria criação, como produtos de uma fala literária. Todos os livros de contos a partir do século XV misturam as duas formas: os de ‘forma simples’, ligados à tradição popular; e os de ‘forma culta’, criados pelo escritor."

Cristina Peri Rossi (1941). Novelista, poeta e contista uruguaia:

"O escritor contemporâneo de contos não narra somente pelo prazer de encadear fatos de uma maneira mais ou menos casual, senão para revelar o que há por trás deles". ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

O Conto – Conceito e Arquitetura Clássica

O Conto e Sua Estrutura Tradicional

Noite na Taverna – O Conto Macabro

A Tradição Oral e O Conto Popular

____________________

Se você encontrar omissões e erros (inclusive de português), relate-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 04/05/2009
Reeditado em 29/01/2012
Código do texto: T1576196
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 71 anos
1281 textos (27447050 leituras)
7 e-livros (9795 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/18 21:42)
Ricardo Sérgio