Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O APÓLOGO

________________________

Estudos Literários

 

A origem do apólogo (do Grego apólogos = narrativa detalhada.) é remota e um tanto obscura, acredita-se que tenha surgido no oriente, porém, está presente na literatura de todos os povos.

É uma narrativa em prosa, curta e alegórica, comumente confundida com a fábula e a parábola, em razão do conteúdo moral explícito ou implícito, ou seja, um conceito moral que sempre encerra a narrativa e à estrutura dramática a qual se fundamenta. No entanto, estudiosos do assunto afirmam que a distinção se faz pelas personagens.

Apólogo é protagonizado por coisas inanimadas (plantas, pedras, rios, relógios, montanhas, relógios, estátuas, etc.) que adquirem certos dotes humanos: a fala, por exemplo. Ao passo que a fábula conteria de preferência animais irracionais, e a parábola seres humanos. Eis um exemplo de apólogo:

Havia no alto de uma montanha três árvores, que cresciam e sonhavam juntas. Sonhavam, principalmente, o que seriam depois de grandes. E assim, todo dia, repetiam entre si, seus sonhos.

A primeira, olhando as estrelas, dizia: "Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. E, para tanto, até me disponho a ser cortada".

A segunda, sempre que olhava o riacho a correr, suspirava: "Eu quero ser um navio grande para transportar reis e rainhas".

A terceira que amava aquele vale, que pulsava em vida, anunciava: "Quero ficar aqui, no alto da montanha, e crescer tanto que as pessoas, ao olharem para mim, levantem os olhos e pensem na grandiosidade de Deus".

Passado muitos anos, um dia, três lenhadores subiram a montanha e as cortaram. As duas primeiras, vibravam, ansiosas, em serem transformadas naquilo que sonhavam, porém a terceira, nem tanto. Mas os lenhadores não costumavam ouvir ou entender sonhos de árvores. E a primeira acabou sendo transformada em um cocho, aonde os animais vinham comer. A segunda virou um simples barco de pesca, carregando pessoas, carga e peixes. A terceira, foi cortada em grossas vigas, e quase todas, usadas na construção um estábulo para os animais, somente duas foram guardadas num depósito à espera de utilização.

Desiludidas e tristes as três irmãs árvores se perguntavam: Por quê?

Eis que, numa noite, uma jovem mulher, prestes a dar à luz, e seu marido José não encontrando lugar nas hospedarias, colocou seu bebê recém-nascido naquele cocho de animais. A primeira árvore, então, percebeu que abrigava o maior tesouro do mundo e que Deus não só realizara o seu sonho como ainda a privilegiara entre todas as árvores do mundo. E deu glória a Deus.

Anos mais tarde esse menino, agora homem, entrou num barco - o mesmo em que a segunda árvore havia se transformado-, e nele acabou dormindo, quando uma tempestade abateu-se sobre a embarcação. O homem levantou-se e disse: "Que se faça a bonança"! E veio a calma e a tranquilidade no mar revolto; e a árvore, compreendeu que estava transportando o rei do céu e da terra, que estava recebendo de Deus muito mais do que pedira.

Outros três anos se passaram. E numa fatídica sexta-feira, a terceira árvore espantou-se quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e nela um homem foi deitado e pregado. A princípio, a terceira árvore, sentiu-se horrível e cruel. Mas, dois dias depois, aquele que em suas vigas tinha sido crucificado, ressuscitava dos mortos para subir ao céu. E a terceira árvore percebeu que nela havia sido pregado um homem para a salvação da humanidade e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de seu Filho ao olharem para aquela cruz.

As árvores haviam tido sonhos e desejos... E os julgaram perdidos. Porém eles aconteceram, e foi maior do que haviam imaginado. Assim, digo-lhes: nunca deixe de acreditar em seus sonhos, mesmo que, aparentemente, eles sejam impossíveis de se realizar.

Na Literatura Brasileira o apólogo encontrou adeptos em: D. Francisco Manuel de Melo, Apólogos Dialogais (1721); João Vicente Pimentel Maldonado, Apólogos (1820); Machado de Assis, Um Apólogo (também conhecido por A Agulha e a Linha), pertencente ao volume Várias Histórias (1896); Coelho Neto, Apólogos (1904). ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

A Fábula.  

A Paródia.  

A Farsa.

A Parábola.  

_________________________________________

Informações foram retiradas e adaptadas ao texto de: MOISÉS, Massaud. A Criação Literária. São Paulo: Cultrix, 1966. / Moisés, Massaud & Paes, José Paulo, orgs. Pequeno Dicionário de Literatura Brasileira. São Paulo, Cultrix, 1967.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me. Enriquecerá mais ainda este trabalho.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 01/04/2010
Reeditado em 10/05/2012
Código do texto: T2172277
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 67 anos
1281 textos (14857316 leituras)
7 e-livros (6199 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/14 16:03)
Ricardo Sérgio



Rádio Poética