CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

HIPÉRBATO, ANÁSTROFE E SÍNQUISE

------------------------------------------------------------------------------------------

Figuras de Linguagem Aparentadas

 

1. Hipérbato

Caracteriza-se pela inversão da ordem natural e direta dos termos da oração, ou da ordem natural das orações no período. Empregado deliberadamente, o hipérbato visa obter determinado efeito estilístico.

ü Camões em Os lusíadas, cVI, est.64 fez o seguinte hipérbato:

"O coração no peito que estremece

De quem os olha, se alvoroça e teme."

ü Embora pareça, à primeira vista, a oração [que estremece] referir-se a "peito", na verdade, prende-se a "coração". A ordem natural é essa:

O coração, que estremece no peito

De quem os olha, se alvoroça e treme.

ü Outros exemplos de hipérbato:

"Passeiam, à tarde, as belas na Avenida." (Drummond)

As belas passeiam na Avenida à tarde.(ordem natural)

"Passarinho, desisti de ter." (Rubem Braga)

Desisti de ter passarinho.

Este artifício é um dos mais frequentemente utilizados por poetas de todas as épocas com o fim de obter flexibilidade e desenvoltura à língua, ritmos, melodias, sonoridades ou ambiguidades originais, capazes de marcar um estilo. No entanto, usado indevidamente, o hipérbato, pode gerar ambiguidade ou obscurecimento de sentido.

ü Se a inversão for muito violenta, o hipérbato toma o nome de sínquise.

2. Sínquise

Consiste numa inversão de tal ordem tão violenta, que a frase se torna obscura ou ininteligível:

Um cãozinho tinha o Paulo fofinho e peludinho.

“Enquanto manda as ninfas amorosas por grinaldas de rosas nas cabeças.” (Camões)

"A grita se levanta ao céu, da gente." (Camões)

ü Eis a ordem direta das frases acima:

O Paulo tinha um cãozinho fofinho e peludinho

Enquanto manda as ninfas amorosas pôr grinaldas de rosas nas cabeças.

A grita da gente se levanta ao céu.

ü Os poetas barrocos levaram este tipo de construção até aos seus limites de compreensão como esta sínquise de um conhecido soneto de Gregório de Matos:

"Tu de amante o teu fim hás encontrado."

3. Anástrofe

A Anástrofe aplica-se somente à inversão da ordem normal dos termos numa frase (palavras vizinhas), ao passo que hipérbato tem maior número de possibilidades de aplicação, como uma inversão completa de membros da oração, ou das orações no período. Rigorosamente é esta a diferença. Observe esta frase do poeta Mário Quintana:

"Tão leve estou (= Estou tão leve), que nem sombra tenho."

Tópicos Relacionados: (clique no link)

Anáfora, Epístrofe, Símploce e Anadiploce.

O Eufemismo.

A Antonomásia e a Perífrase.

O Assíndeto e o Polissíndeto.

A Metonímia e a Sinédoque.

Sinestesia: A Figura da Descrição.

A Metáfora e suas Ramificações.

Antítese, Quiasmo, Paradoxo E Oximoro.

____________________________________________

Para copiar este texto: selecione-o e tecle Ctrl + C.

Ajudaram na elaboração deste texto:

Helio Seixas Guimarães, Ana Cecília Lessa - Figuras de Linguagem – Atual Editora

Assis Brasil – Vocabulário Técnico de Literatura - Edições de ouro.

Se você encontrar erros (inclusive de português), faça a gentileza de avisar-me.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. 

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 08/12/2009
Reeditado em 23/03/2010
Código do texto: T1967829

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (" Você deve citar a autoria de Ricardo Sérgio e o site www.ricardosergio.net"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 66 anos
1281 textos (14394597 leituras)
7 e-livros (6023 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 04:39)