Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTAS AO LEO

-----------------------------------------------

 

Lagoa da Cruz, 12 de julho de 2008

Realmente, Leo, há vários casos de plágio explícito em muitos sites que hospedam textos literários, em blogs e outros similares virtuais. Mas também há textos que não são plágios, embora possam parecer.

A título de exemplo, temos o processo em que o americano Dan Brown foi acusado de plagiar, na composição de seu best-seller O Código da Vinci o histórico ensaio Holy Blood, Holy Grail (Sangue Sagrado, Cálice Sagrado), de Henry Lincoln, Michael Baigent e Richard Leigh. Processo encerrado, o juiz deu sua decisão a favor de Dan Brown, porque, segundo a doutrina aceita no direito autoral, "o que deve ser protegido é a forma de uma obra, e não suas idéias". Isto é, o processo contra Brown só teria sentido se ele houvesse copiado trechos do ensaio, o que não ocorreu. O que ele fez foi copiar as idéias.

As idéias de uma obra é o que chamamos de Assunto, que em seu significado etimológico (histórico), é aquilo que foi tomado emprestado. O escritor tem a liberdade de tomar de empréstimo um assunto, seja do jornal, da História, de outra obra, do folclore ou da mitologia. Tomemos como exemplo a história de Medeia, uma tragédia grega escrita por Eurípides há mais de dois mil anos, cujo assunto foi aproveitado por Sêneca, Corneille, Anouill e pelos brasileiros Chico Buarque e Paulo Pontes. A peça de teatro Gota D’Água, de Chico e Paulo, é a história de Medeia transposta para o subúrbio carioca. Assim como Medeia é uma história de reis e feiticeiros, Gota D’Água é uma história de pobres e macumbeiros, uma realidade bem nossa. Assim como Medeia, temos Mandala de Dias Gomes (da tragédia Édipo), etc.

Outro caso de provável plágio aconteceu em 2002 quando o escritor canadense Yann Martel, vence o prestigioso prêmio Booker de literatura com a obra A Vida de Pi (narra a história de um garoto Indiano que, depois do naufrágio do seu navio, divide o bote com um tigre). A partir daí, ganha evidência, a acusação do escritor brasileiro Moacyr Scliar, de que A Vida de Pi era um plágio de seu livro Max e os Felinos, que tem como personagens um rapaz alemão, vítima de um naufrágio, dividindo o bote com um jaguar. Com a notoriedade do suposto plágio, Martel, admitiu ter usado a idéia original do brasileiro, (telefonou a Moacyr para pedir desculpas).

Como Martel não copiou trechos da obra do autor brasileiro, só o assunto (o que deve ser protegido é a forma de uma obra, e não suas idéias, doutrina aceita no direito autoral, o caso ficou somente nas desculpas).

Por essas e por outras, é que devemos, antes de formular uma acusação de plágio, tomar o cuidado de fazer tal distinção.

Forte Abraço.

Ricardo Sérgio

Leia Também estas outras Cartas (clique no link):

Uma Historieta Cretina

Nem Respeito, Nem Admiração

Em Que Consiste a Verdadeira Sapiência.

Velhice a Partir dos Trinta Anos.

A Encomendação das Almas.

O Mito de Alectrion.

Quando Eu Morrer...

Liberdade Poética.

____________________

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquercomentário.

Se vocêencontraromissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me.

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 21/04/2006
Reeditado em 19/07/2009
Código do texto: T143063

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 69 anos
1281 textos (21175051 leituras)
7 e-livros (8546 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:27)
Ricardo Sérgio