Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O EPITALÂMIO (EPITHALÁMION)

______________________________________________________

Estudos Literários

 

Cântico nupcial de natureza religiosa destinado a reivindicar para os noivos a bênção (as boas graças) dos deuses (Vênus, Cupido, as Graças, etc.). O epitalâmio era também chamado pelos gregos de Himeneu, em evocação a Himeneu, deus grego do casamento.

Na Grécia antiga, era cantado por coros de moços e moças - ao som de flautas e liras - durante o cortejo e na frente da casa dos noivos. Havia dois tipos: o coemértico que se cantava por ocasião do casamento, e o egértico que era cantado na manhã que se seguia ao casamento, para saudar o despertar do casal. Safo e Teócrito distinguiram-se entre os seus cultores gregos.

O epitalâmio também foi cultivado na antiguidade romana, da mesma forma que os gregos, mas costumavam a fazê-lo preceder de cânticos populares finalizando por estribilhos festivos.

Segundo Massaud Moisés (1977), na Bíblia, o "Cântico dos Cânticos", série de poemas atribuídos atribuído ao Rei Salomão, pode ser considerado como poesia epitalâmica.

Em Portugal, o gênero foi cultivado por Sá de Miranda (Epitalâmio pastoril), Domingos Caldas Barbosa e Fernando Pessoa com O Epithalamium (1921).

O epitalâmio mais famoso em língua portuguesa foi composto para a filha do marquês de Pombal, por Basílio da Gama, e valeu-lhe escapar ao degredo em Angola e ainda obter favores do ministro. Cruz e Silva e Cláudio Manoel da Costa, foram os outros poetas brasileiros que o cultivaram.

Na literatura moderna alguns poetas dedicaram-se a escrever epitalâmios, imitados dos modelos clássicos: na França, Ronsard e Malherbe; na Itália, Marini e Metastasio; e na Inglaterra, Crashaw, Donne, Sidney, Jonson e Spencer, que escreveu um epitalâmio para seu próprio casamento. ®Sérgio.

Tópicos Relacionados: (clique no link)

O Triolé não é Rondel ou Rondó.  

A Cantata – Estudos Literários.  

A Estrofe e a Estância.  

O Rondel e o Rondó.  

O Quiasmo no Poema.  

Décima.  

Epigrama.  

Rapsódia.

O Cansó.

____________________

Ajudou neste estudo: Massaud Moisés - A Criação Poética; Cultrix, S. Paulo, 1977.

Se você encontrar omissões e/ou erros (inclusive de português), relate-me. Só enriquecerá este trabalho.

Agradeço a leitura e, antecipadamente, qualquer comentário. Volte Sempre!

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 19/01/2006
Reeditado em 09/05/2012
Código do texto: T101167
Enviar por e-mail
Denunciar

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 69 anos
1281 textos (21140385 leituras)
7 e-livros (8543 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:46)
Ricardo Sérgio